Terrorismo Acidental

Posted: 31 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
0

Se o seu ponto de vista está cego,
É melhor ser antes visionário.
Se imaginação não muda o cenário,
É melhor mudar mais o ego!

Terrorismo acidental...
Tudo se encaixa no final.
Se a vida é mortal... A morte é natural.
Terrorismo acidental.
Tudo se deslaça no final...
Se a morte é vital... A vida é conceitual.

Se seu conceito de amor é violento,
Arranque o próprio coração.
Se não há mais consideração,
Considere apatia sem ressentimento.

Terrorismo acidental...
Tudo se encaixa no final.
Se a vida é mortal... A morte é natural.
Terrorismo acidental.
Tudo se deslaça no final...
Se a morte é vital... A vida é conceitual.

Se pessoas são contra sua ideia,
Faça sua ideia ser inumana.
Mesmo em atrocidade cotidiana,
A loucura contrária é a melhor odisseia...
Antes ideia insana do que racional diarreia.

dEus Não Está Aqui 3

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Até nas superfícies mais remotas,
A presença de uma realidade irreal,
Há de continuar irreal.

O Conforto Da Escolha

Posted: 30 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Ela entrou no ônibus falando ao telefone, e mesmo entretida com o papo percebeu que havia apenas dois lugares disponíveis. Um ao lado de um rapaz de pele negra e outro ao lado de outro rapaz de pele branca. Ela escolheu sentar-se ao lado do rapaz de tez branca.
O ônibus parou perto de um parque esquisito. O rapaz de pele branca e bem vestido falou ao ouvido da moça: Vem comigo, ou eu te furo!
Antes de sair trêmula do ônibus, ela ainda olhou para o outro rapaz tentando pedir socorro, mas ele estava ocupado lendo “Mil Maneiras de Respeitar Mulheres”.


Microconto baseado nesse vídeo.

Dementia Praecox - Audiopoesia

Posted: 28 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Microconto originalmente publicado em 17/07/2012.

Aceite Ou Negue

Posted: 27 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

As fatalidades trazem sequelas certeiras,
E mesmo que o universo se encarregue,
As cicatrizes são verdadeiras!

Ruína Da Identidade

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Eu não sou isso! Eu não sou mais aquilo... Eu não sei bem quem sou... Eu sei que sou... Real.
Sei que sou real, Porque sei como é estar sonhando... Infelizmente, Isso não é mais um sonho. E...
Aos poucos a gente vai esquecendo-se de quem era ontem,
...
E a poeira livre vai se espalhando
Pela imensidão do planeta.

Quando Crescer

Posted: 26 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Quando crescer vai querer voltar,
A um tempo de outros tempos.
Sem promessas, sem peso, sem preço.
Ao berço!

Sua imaginação será trocada,
Pelo induzido desejo de posse.
Tão efêmero quanto os sonhos de infância...
Ganância.

Quando crescer vai desejar a inocência,
Para não sentir tanta dor existencial,
Vai desejar a leveza da incerteza,
Pureza.

Sua moral será invertida ao egoísmo,
Pela pressão de sobrevivência,
Tão falsa quanto as sociais relações...
Subserviência!

Quando crescer vai querer ser maior,
E vai desejar voltar ao tempo passado.
Estará constantemente cansado...
Quando crescer vai querer ter usado melhor.
O tempo passado...

Apenas Em Casos Extremos

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Sólidas Esperanças

Posted: 23 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Entre as folhas amarelas,
Caem as lembranças
Dum ego póstumo.

Cultura E Imaginação - Poetronic Music

Posted: 21 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Poesia originalmente publicada em 23/07/2009.

Pedras Universais

Posted: 20 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Vanuza era a primeira a atirar a primeira pedra quando o assunto era julgamento de moral e bons costumes. E enquanto ela estava à espreita observando a falta de moral e dum costume muito bom de um casal ao outro lado da rua, começou uma chuva de granizo que só a atingiu.

Padrão Natural

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Às vezes a realidade manifesta padrões,
Que nos liga ainda a sonhos remanescentes.
No mais, é insensatez notar padrões em tudo.

Relembrar É Morrer... E Matar

Posted: 17 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Tudo que poderia ter sido,
Dentro do avesso atravessado,
E o que não foi pensado.
Além dos rios de reminiscências,
De segredos guardados além de irmandades,
Além do espelho quebrado, além do reflexo de desprezo.
E mesmo que tudo
Ainda esteja para acontecer,
O dia está apenas começando em algum lugar distinto.
Não mais há aforismos ou memórias suturadas...
Tudo foi cicatrizado.
Nenhuma morte,
Como nunca tivesse existido.
Apenas o tempo é capaz de ser atemporal.
Apenas o que foi vivo,
Poderia ter sido mortal.

Alma Simbiônica

Posted: 14 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Quando ao reflexo, fé se atribui,
A cegueira se faz crônica,
Quão o espelho rui.

Pedaços Alheios - Poetronic Music

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0


Poesia originalmente publicada em 30/07/2009.

Mazelada Fé

Posted: 10 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Devoto, João nunca se cuidou ou fez prevenção de nenhuma doença, e não muito tarde na vida uma o assolou. Mas, recusava-se a aceitar qualquer tratamento dizendo que tinha fé que quando deus quisesse levaria ele (para morte).
A fervorosa fé concedeu a João longos anos de uma vida de invalidez e perda progressiva de membros. O consolo seria que no céu (onde esperava ir deveras) estaria saudável. Mesmo depois de morto.

Crepúsculo Boreal

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Quando o mundo aparentar apatia sem êxtase,
Valerá a pena sair dele... Tente!
Voltar há de ser a pior parte.

Céu Em Lama

Posted: 6 de mar de 2013 by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
0

Das lamúrias do palhaço,
Viu repetida a gargalhada.
Dum deleite tão escasso,
Pérfida glória lamentada.

Dor martelada em mente,
Não mais sente tal prazer.
Nem o orgasmo inocente,
Ilude ou faz encandecer.

Apenas derretendo lá fora,
Céu nos olhos marejados.
Apenas o último agora... Agora!
Todos os sonhos despejados.
Apenas derretendo lá fora. Agora

Ao fim só restará lama...
Só tem amor quem ama.
Ao fim é só lama.

Completamente atrasado
Ao derradeiro arremate.
O final adeus se faz calado
Não importa quem parte.