Receita de Salgadinho de Ervas

Posted: 31 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , ,
1

Ela estava ansiosa esperando que a receita de pão de queijo sem queijo desse certo. E deu mesmo certo. Só não parecia em nada com pão de queijo.

***
 Ingredientes
4 xícaras de polvilho doce
1 xícara de polvilho azedo
4 xícaras de batata amassada
2/3 de xícara de óleo bem quente (ponto de fritura)
1 xícara de água fervendo
Sal a gosto
Ervas finas a gosto (opcional)


Modo de Preparo:
Misture, primeiramente, todos os ingredientes secos (polvilhos e sal). Ferva o óleo e a água juntos e despeje sobre a mistura seca, escaldando o polvilho. Acrescente o purê e amasse com as mãos até obter uma mistura homogênea. Molde as bolinhas e asse em temperatura baixa (preferencialmente mínima) por meia hora. Não é necessário untar a forma.

Obs: Fica beeem crocante!

Vestido Antes De Ser

Posted: 28 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
0

Desde a concepção inevitavelmente a cultura vai determinando
Os sólidos contornos deformados
Do embrião da engrenagem social.

Insólita Promoção

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
0

Mariana estava certa de que seria promovida naquela manhã em que seu chefe a convocou em tom acalorado. Infelizmente ela não foi promovida. Contudo está viajando o mundo tentando manter-se livre. Já o cargo de seu chefe agora está disponível.

Insolúvel Resolução - Poetronic Music

Posted: 27 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
0


Poesia originalmente publicada em 26/04/2009.

Vírus Da Mesmice

Posted: 26 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Admirando o raiar da aurora,
Você constantemente se pergunta:
Até quando padecer ao agora
A continuidade da inalterabilidade.
Até quando aguentar ser ordinário?

Abaixo do sol escaldante,
Corpos padecem sem a ciência do fundamental,
Sentido de sentir a existência adiante...
E na perspectiva de desconhecer,
Vão marchando ao precipício oco.

Desmoralizando a personalidade,
Vai perdendo o que havia no fundo...
O poço enfim estava vazio bem como o
Pensamento estava decomposto.

Divisões Ressecadas

Posted: 24 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

“É a parte que te cabe deste latifúndio...
É a terra que querias ver dividida...” 
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto

Desígnios Retalhados

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Da vida em monotonia inquietante,
        Todos os sonhos acinzentados,
                  Faz-se desistência constante.

Onírica Corrupção

Posted: 23 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Com a adição de suborno,
Cada vez fica mais difícil se respeitar,
Sabendo que qualquer sonho
Pode ser comprado, você sonha!
Mesmo que fique em cinzas
A personalidade pode se reciclar,
Hoje, depois de tanta devastação
Morre em própria peçonha.

Não mais há sol a acalentar...
Por ter se deixado nunca amar,
Morre em vergonha.

Vestida Para Ser

Posted: 18 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
1

Usando maleável dissimulação vai (de)cadenciando na rotina
O desprazer de se ser mais um ser sem coerência
Além dum perfeccionismo elástico.

Vestido Para (Se) Trair

Posted: 17 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
1

Patrício odiava profundamente seu trabalho de vigilante de shopping. Abominava ter que usar aquele uniforme opressor. Constantemente anunciava o quanto detestava aquela fantasia que tinha que incorporar e quanto aquilo não fazia parte de si. Mas mantinha-se ali por ser financeiramente cômodo. Afinal Patrício estava prestes a se casar.
Numa noite de sábado ele chegou exausto, e sua noiva exigiu que ele continuasse usando o uniforme enquanto transavam. Patrício ainda relutou, mas foi tentando agradar sua companheira que foi traído.

O Velho E A Rua - Audiopoesia

Posted: 16 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Poesia originalmente publicada em 18/08/2009.

Perdendo-Se

Posted: 15 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Perdido no tempo
                Dos segundos secundários,
                               Jamais imaginaria
Quão doce é o céu derretido.
                              Fodido pela apatia
                                        Dos indiferentes solitários,
Doce encontro
De desencontro interrompido!
Tempo trabalhado... Tempo perdido.

Pranto Triunfante

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Dos ossos ao cérebro,
Do outro lado da rua.
Da terra ao concreto,
Da memória nua e crua.
Sem sentir os sentimentos,
Tropeçando em desentendimentos.

Dos sonhos sombrios,
Do paladar ressecado.
Dos toques intangíveis,
Do planeta devastado.
Sem conceder vitalidade,
Amargando inútil sobriedade.

Do último abraço oco,
Dos ecos repetidos.
Do veneno apetitoso,
Dos olhares desconhecidos.
Sem respeitar a altivez...
Antes de feliz para sempre foi uma vez...
Mais uma vez desejos apodrecidos.

Anódina Monotonia

Posted: 14 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Além dos embaraços sociais, 
A lucidez de uma vida mais intensa
É capaz de cintilar contra humana apatia.

Identidade Esquecida

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Tão perto de um colapso
                     Sua vida segue refletida,
                                    Com espelho relapso.

Escambo Em Esgoto

Posted: 9 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Você trocou suas ideias
Por esmola de conforto,
Você trocou seu repouso
Por apatia urbana.
Você trocou sua vida
Por um peso morto,
Você se tornou fruto
Dessa sociedade insana.
Você trocou seu livre caminho
Por desejo torto,
Você mente para si
E diz que o outro engana,
Você preferiu a social
Conduta do auto aborto,
Você se tornou fruto podre
Dessa corja humana.


Vestido Para Morrer

Posted: 8 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , , , ,
0

Vestindo a engrenagem da rotina, vai cometendo sádico suicídio,
Em troca de linearidades distorcidas de conforto carcerário.

Derrota Oca

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Batalhas e muros caídos perante vontade sem fronteira.
Nenhuma alma resiste além do além do céu da boca...
Afinal o final nada mais foi que vitória traiçoeira.

Rota Da Rotina

Posted: 7 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Ele sempre dizia: “A rotina faz a máquina laborar impecavelmente!” Orgulhava-se de ser pontual e eficiente.
E a rotina tanto guiava a vida de Romualdo, que mesmo quando interditaram o elevador para manutenção da máquina ele não conseguiu desviar seu tradicional caminho.

Atraso - Instrumental

Posted: 6 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Estamos atrasados... Somos atrasados...

Topo Do Mundo

Posted: 2 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
1

O mundo o fez se sentir-se vazio e pequeno,
Observando de dentro para fora da roda.
Sem tanta dor, sem pranto... Sem veneno,
Definhando como qualquer um que acorda!

O mundo o fez sentir-se plácido e tranquilo,
Entendendo toda função dessa desordem.
Sem motim mental, sem prisão ou asilo,
Compreendendo como as pedras se movem...

O mundo fez do seu topo uma linha imaginária,
Ninguém consegue atravessar tal claustrofobia.
O mundo fez do seu espaço imagem contrária,
Ninguém consegue desavessar tanta apatia.
Numa rotação tão solitária o mundo vaga em rota vazia.

Calma Natureza

Posted: 1 de ago de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

“Uma natureza calma nunca permite que uma tempestade absoluta aconteça. 
Mas está lá no horizonte.” – Orações Por Bobby

Fracassados Alvitres

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
1

Vontade de desistir do ordinário,
              Ultrapassando os limites...
                         Do habitual imaginário.