O Avesso

Posted: 22 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
1

A curiosidade de se ver por olhos alheios,
Quando viramos as costas para a cobiça.
Só resta declarar apatia sem demais rodeios,
Para quem olha de soslaio babando por carniça!

A fatalidade de constatar a velhice mental,
Quando vimos tanta perversidade infantil.
Só resta mostrar consequência afinal,
A quem há de ser infante em corpo senil.

Tão bizarro quanto o reflexo do avesso,
De dentro para fora de fora para dentro.
Em movimento tanto quanto o gesso,
De dentro para fora de fora pra o centro!
Tão fútil quanto o valor de se ter preço,
De dentro para fora de fora para dentro,
Do avesso do avesso do avesso do centro do avesso!

A realidade antes experimentada esvaiu,
Nenhuma fumaça merece tal consideração.
Só resta buscar além da curva do rio...
Alguém que seja mais ébrio que a corrupção.

A insanidade alastrando-se como bactéria,
Nenhuma prevenção seria deveras eficaz...
Só resta questionar-se qual ideia é séria,
Enquanto os “sadios” te esfaqueiam por trás!

Receita De Panqueca Ver(de) Vegan (Com Couve)

Posted: 21 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
4

Os anos se passaram, a vida se passou... As pessoas passaram, os amigos enlouqueceram ou se tornaram sóbrios demais. As lembranças também se dissolveram durante aqueles últimos anos naquela granja, anteriormente uma comunidade alternativa... Mas a coisa que menos lembrava era se as panquecas já eram verdes devido à couve quando era jovem, (nos anos setenta para ser mais exato) ou se eram verdes por outro motivo.

***

Ingredientes da massa:
1 xícara de farinha de trigo (com fermento);
½ xícara de aveia em flocos (fina);
1 colher de café de sal;
3 colheres de azeite;
1 e ½ xícaras de água;
1 folha de couve (sem talo);

Ingredientes do recheio:
5 folhas de couve picada em fios;
1 tomate grande picada em cubos;
1 cebola média picada;
3 dentes de alho em lâminas;
Cheiro verde a gosto;
Azeite;
Tempero preparado de sal e alho;

Ingredientes do molho (Opcional):
200g de molho de tomate pronto;
2 cabeças de alho;
Orégano a gosto;
Sal e pimenta do reino a gosto.

Modo de preparo:
Misture todos os ingredientes num liquidificador edeixe bater por bastante tempo para não ficar pedaços de couve. A massa vai obter uma coloração verde-claro desde esse momento.
Unte uma frigideira antiaderente com um fio de azeite e deixe esquentar bem... Despeje uma quantidade e vá movendo a frigideira circularmente de modo que a massa vá tomando a forma do fundo da frigideira. Deixe as bordas dourarem um pouco até perceber que está se soltando. Com auxílio de uma espátula, desgrude a massa e vire (ou no ar que é mais simples).
Dependendo da aderência da frigideira, só precisa untar de duas em duas panquecas.

            Refogue o alho e a cebola no azeite, adicione a couve, a tomate e o restante dos temperos. Até a couve murchar pela metade e ficar mais “unido”.
            Refogue o alho em azeite adicione o molho de tomate junte orégano, sal e pimenta do reino a gosto.

Depois de prontas, recheie com uma boa porção de couve refogado e enrole. Junte pelo menos 3 num prato e despeje molho em abundância. A receita rende 6 panquecas médias.

***

Couve
A couve é uma hortaliça muito rica em minerais (cálcio, ferro e fósforo) e vitaminas (A, complexo B e C). Ela é excelente para combater problemas digestivos, enfermidades do fígado, cálculos renais, menstruação dolorosa, artrite, bronquite, além de curar úlceras estomacais.
A couve pode ainda ser utilizada para evitar ressacas, aliviar a prisão de ventre (devido ao seu alto teor de fibras), evitar a má disposição e aliviar dores causadas pelas úlceras gástricas.
A couve é depósito formidável de iodo, devendo ser consumida regularmente por portadores de bócio ou papeira — doença originariamente produzida por deficiência na ingestão deste mineral.
O iodo da couve é constituinte essencial da glândula tireóide, participando na produção diária dos hormônios tiroxina (T4) e triodotironina (T3).

Suco de Couve
O suco de couve é um tônico mineralizante excelente para o organismo, além de atuar como vermífugo e estimulador do apetite. Apesar de o suco possuir um teor de calorias muito baixo, ele satisfaz a sensação de apetite. Sendo assim, pode ser recomendado para tratamento em obesos. É muito rico em enxofre. Por isso, pode ser utilizado para combater a seborreia do couro cabeludo.

A Porta Do Saber (A Essência Da Loucura) - Poetronic Music

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Diga Adeus...

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Iori passou boa parte de sua aprisionada vida construindo aquelas asas de cera... Estudou a fundo todos os detalhes da estrutura aeróbica de tais membros. Queria chegar ao topo do mundo, da liberdade! Perto do sol... Sim! Ele queria sentir o ápice da vida, tocar o infinito... Realizar seu sonho! Mesmo contrariando as advertências de seus parentes, mesmo contrariando todos que diziam o quão perigoso era tal caminho aéreo! Mesmo contrariando todos que o advertiam quão ameaçador era se almejar a liberdade!
O projeto estava quase finalizado. Ele estava se aprontando para partir. Informação que não delongou chegar aos ouvidos do Rei. Que se adiantou e foi a uma visita cordial ao seu súdito.
Ao ver o belo aparato, o Rei ficou encantado! E sem mais delongas tocou tais asas que prontamente começaram a se decompor em ouro! O Rei se retirou com seus guardas dizendo que a incumbência estava cumprida! Por um instante Iori ficou abismado, caído, triste, irado, ao chão... Uma vida inteira de trabalho! Iori lamentou... Somente um instante... 

Estamira (DOC) - DOWNLOAD

Posted: 20 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , , , , ,
0

DOWNLOAD (Domínio Público)

Brasil
2005 •  cor •  121 min
Produção
Direção: Marcos Prado (cineasta)
Roteiro: Marcos Prado
Elenco original: Estamira
Género: documentário
Idioma original: português
Site oficial do filme: http://www.estamira.com.br/

"Eu sou a beira do mundo"

Estamira Gomes de Sousa (Estamira), conhecida por protagonizar documentário homônimo, foi uma senhora que apresentava distúrbios mentais, vivia e trabalhava (à época da produção do filme) no aterro sanitário de Jardim Gramacho, local que recebe os resíduos produzidos na cidade do Rio de Janeiro. Tornou-se famosa pelo seu discurso filosófico, uma mistura de extrema lucidez e loucura, que abrangia temas como: a vida, deus, o trabalho e reflexões existenciais acerca de si mesma e da sociedade dos homens. "Ela acreditava ter a missão de trazer os princípios éticos básicos para as pessoas que viviam fora do lixo onde ela viveu por 22 anos. Para ela, o verdadeiro lixo são os valores falidos em que vive a sociedade", comentou Marcos Prado, diretor do filme. O documentário "Estamira" teve repercussão internacional, angariando muitos prêmios e o reconhecimento da crítica.

"Tudo que é imaginário tem, existe, é"

Estamira, que sofria de diabetes, morreu aos 70 anos por consequência de uma septicemia, ela foi internada no dia 26 de setembro por causa de uma infecção no braço, após dois dias no aguardo de atendimento no corredor do hospital, o quadro avançou para uma infecção generalizada, o qual ela não resistiu, ela faleceu no Hospital Miguel Couto, no Rio de Janeiro em 28 de setembro de 2011. Marcos Prado, diretor do documentário que retratou parte de sua vida cotidiana, lançou uma nota de pesar e lamentou o descaso que ele e Ernani, filho de Estamira, dizem ter sofrido Estamira, na nota entre outras Marcos Prado relata "Estamira ficou invisível pela falência e deficiência de nossas instituições públicas! Morreu depois de ficar dois dias esperando por atendimento nos corredores da morte do nosso maravilhoso serviço público de saúde do Miguel Couto. Ela estava com uma grave infecção no braço, mas foi tardiamente atendida. Obrigado meus políticos de Brasília, do Rio de Janeiro, que roubam nosso dinheiro e enfiam sei lá onde".

"Vocês não aprendem na escola. Vocês copiam. Vocês aprendem é com as ocorrências. Eu tenho neto de 2 anos que já sabe disso. Tenho de 2 anos, que ainda não foi à escola copiar hipocrisias e mentirar charlatais"



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.






            “A Terra disse, ela falava, agora que ela já tá morta, ela disse que então ela não seria testemunha de nada. Olha o quê que aconteceu com ela. Eu fiquei de mal com ela uma porção de tempo, e falei pra ela que até que ela provasse o contrário. Ela me provou o contrário, a Terra. Ela me provou o contrário porque ela é indefesa. A Terra é indefesa.
A minha carne, o sangue, é indefesa, como a Terra; mas eu, a minha áurea não é indefesa não. Se queimar os espaço todinho, e eu tô no meio, pode queimar, eu tô no meio, invisível. Se queimar meu sentimento, minha carne, meu sangue, se for pra o bem, se for pra verdade, pra o bem, pela lucidez de todos os seres, pra mim pode ser agora, nesse segundo, e eu agradeço ainda.”

***

Um Tanto De Resto (à Estamira)
Quando se percebe que tantos dos semelhantes
Vivem dos restos que dispensaram ao leu,
É impossível não sentir-se um montante,
De resto compactado em forma semelhante.

Quando se percebe produtor de tanto resto,
O resto parece maior do que o tanto útil...
Quando se percebe vivendo em tanto desperdício
O resto faz você se sentir um tanto inútil.

Quando percebemos que todo o resto é irreal,
As ilusões de necessidades parecem sacrifícios...
Quando se percebe não carecer nem do resto de resquício,
Libertar-se do moral irracional torna-se um vício.

Uma singela consideração à "Beira do Mundo"

Arrombada

Posted: 17 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Manter a mente sempre arrombada...
Que os pensamentos estejam sempre livres!

Olho De Vidro

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Além de corpos celestiais ecos negados pela extraordinária aspiração egoísta,
Sem cólera, sem comiserações ponderáveis mesmo para ser simplista...
Ao redor nada deixou marcas, nada deixou pegadas a se reparar...
E mesmo que recusem, a areia da ampulheta ainda rui sem parar.
Mais um dia, mais tantas mortes sem conjuntura no resto do ego,
Mesmo arriscando apreciar cada resquício vital... Faz-se cego,
Pelo simples desejo de estar olhando para própria pálpebra!
Além dos reflexos incertos só haverá liberdade após total quebra!

Ego Apodrecido

Posted: 16 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Fedor de ferro fundido,
                   Pensamento estresido
                              Afeto ínvido esquecido!

Mariposa Mental

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Não há borboletas no estômago,
Mas sim uma mariposa na mente!

Mergulhando No Sonhar

Posted: 15 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Emerso num oceano incompreendido...
Flutuo tentando sobreviver sem cansar.
Vivo lixo descartado ao mar já poluído,
Faço parte da parte que teima pensar...

Nem represas nem pontes horizontais,
Sem barcos, submarinos, navios ou lanchas!
Sentir como sentem tantos outros mortais,
Tão significantes quanto oleosas manchas...

Tanta poluição com desígnios egoístas,
Para jamais tocar sequer areia da praia.
Nem convicções, ações ou reais conquistas,
Ao fim, desde o começo já previa falaz tocaia.

Mais bolhas de oxigênio para sentir paz,
Ao preço de mergulhar profundamente.
Cada vez mais fundo, cada vez mais, mais!
No fundo... Fundo da mente!

Sem Porta - Poetronic Music

Posted: 11 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Um Sonho Sobre A Vida

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Para Alfredo era tão complexo lembrar o que tinha sonhado na noite anterior que passava mais de meia hora ainda na cama após acordar tentando lembrar... E consecutivamente se atrasava para vida.
Até que um dia sonhou com o cabal significado de tudo! Toda sua existência havia passado naqueles momentos oníricos. E depois daquela noite, numa manhã de outono não mais levantou da cama... Também não mais acordou.

A Imaginação (Aprisionada)

Posted: 10 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
1

Enquanto a Imaginação se aprisionar,
Nenhuma liberdade se fará além do sonhar.

A Distância Solar 2

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , , , ,
0

No mais denso desejo se esconde a saudade,
O sol mesmo mais quente, não queima tão fundo.
O lamento nunca é comparável à vontade,
De ter novamente a outra metade desse mundo.

Para onde olhar a lembrança ainda está quente,
E mesmo com o sol tão intenso, não mais arde!
A incerteza é mais certa do que é evidente,
Dizer que sente saudade, já é dizer muito tarde!

Tão profundo quanto puder pensar...
Tão distante quanto puder sonhar...
Eu estarei lá!

Emaranhado de lembranças pálidas e quebradas,
Tentando não deixar cair em cinzas solúveis.
Todo medo declarado às paredes acolchoadas,
Verdades camufladas por devaneios tão volúveis.

Tão raso quanto puder pensar...
Tão simples quanto puder sonhar...
Eu estarei cá!

Insanidade Em Ciência

Posted: 9 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Jogos estúpidos sem verve paixão!
           Não valem pontos de experiência.
                Nem saldam o custo dum caixão.

Sol Solar

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Sensata sombra sucumbe à salubridade solar. Só sobram sombras...
Foto original.

Casulo Exterior

Posted: 7 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Encasulado na crisálida de nova consciência,
Se resguardando para o voo mais perfeito...
Desenhando as asas com esmero e paciência,
Permutando anseios em um novo conceito.

Sem esperança...
Um caminho árduo e seguro.
O amor além dos tempos,
Para lembrar que existiu sentido em tudo além do muro.

Novas lembranças...
Memoria sem conexões reais.
Amargos caminhos emaranhados,
Em arames farpados infectados com veneno homeopático.
Apático...

E quando se arrisca refletir no que estava raciocinando,
A mariposa se decompôs numa nova coisa...
Além da impotente percepção de olhares...
Além do exterior encasulado.

A Chave

Posted: 6 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Desenho que ilustraria o cartaz do Queeristan 2012. Mas que foi modificado para edição futura do INCOGNITO Pós: Identidade Queer DeLUX com lançamento previsto para setembro-2012.

Íntima Sobriedade

Posted: 5 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

A sobriedade da vida sempre lhe pareceu clareza e essa sempre pareceu o modo mais real de se reconhecer. Até que numa noitada de festa entre vinho e maconha, pode sentir mais de si do que em todo o resto da existência. Teve uma epifania intimamente ébria! Sabia exatamente quem era e o que queria da vida... Motivos e razões existenciais! Mas para seu azar na manhã seguinte não se lembrava de mais nada. Só de faltar um pedaço de sua memória.

Voar... Voar... - Instrumental

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Telepatia

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Sustentados por insólitos conceitos de rancor,
Os desejos mais profundos e mais inumanos.
Castrados por monopólios aceitos em torpor,
Ensejos imundos se purificam em adágios insanos.

Marcados por medo de ter a própria existência,
Como vírus precisando de um corpo a corromper.
Armados desde cedo a copiar até a consciência,
Em chá de lírios se embriagando para distorcer!

Armados até os dentes de falsidade camuflada,
Em sorrisos cínicos amarelados pela incoerência.
Amarrados de inocente ingenuidade remontada,
Egoísmos clínicos emaranhados a mais falsa ciência.

Paradoxal momento para despertar a consciência,
Pleonasmo retórico de consistência copiada...

Luar Lunático

Posted: 2 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Longe lúgubres luzes lampejam a lembrança da lacuna... Que deixastes.

Para Além Da Loucura

Posted: 1 de abr de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Ressonância além do brilhantismo da mente,
  Muro erguido entre a realidade mais dura...
                           E a criatividade mais consciente!