Receita De Macarrão Ao Molho Branco De Soja (As Vacas Agradecem)

Posted: 30 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

- 500 g de macarrão parafuso;
- 400 g de creme de leite de soja (relativamente fácil de achar em supermercados);
- 1 lata de milho verde;
- 4 dentes de alho;
- 1 cebola grande;
- 4 colheres de sopa de azeite;
- 300 g de azeitonas verdes (picadas sem caroço)
- 1 maço de couve (7 folhas médias)

Repare se o macarrão de sua escolha não contém ovos. Uma dica muito importante sobre cozimento de massa e que serve para qualquer receita de macarrão é que ela tem que ficar pronta ao mesmo tempo em que o molho. Pois aquele costume que muita gente tem de lavar o macarrão depois de cozido e deixar reservado para só então ir produzir o molho é extremamente errado!
Macarrão não deve ser lavado em hipótese alguma!

Modo de preparo (Do Molho):
- Sendo assim, quando puser água (muita água) para ferver para o macarrão, vá à produção do molho.
- Em uma panela grande ou frigideira:
- Refogue em azeite abundante a cebola picada junto aos dentes de alho cortados em rodelinhas finas;
- Adicione temperos variados de sua preferência;
- Adicione as azeitonas picadas;
- Adicione todo creme de soja;
- Sal a gosto;
- 150 ml de água;
- Adicione o milho verde e a couve picada em tiras.
- Deixe levantar fervura.
Eu aconselho que preferencialmente o molho esteja pronto antes do que a massa.

Para fazer um macarrão o tempo de cozimento deve ser respeitado. Uma coisa comum em vegetarianos é a leitura de rótulos. A gente se acostuma com a dinâmica de sempre estar averiguando os produtos que consumimos. E esse costume de leitura também é válido para o modo de preparo.

- Use um fio de azeite na água e depois, perto de levantar fervura, ponha sal a gosto. Geralmente não é recomendado usar óleo (principalmente de soja) para o cozimento de massa por criar uma película que impede a aderência do molho. Mas com azeite, isso só contribui mais para o sabor.
- Despeje o conteúdo de um pacote de macarrão na água que já estará fervendo.
Mexa sempre lentamente com um garfo largo em forma de infinito impedindo que talos se formem...
Não tenha medo de provar enquanto faz a comida! Prove e saberá quando o macarrão está al dent. Desligue o fogo, e assim que escorrer, espere tirar só a água. Não é pra pasta endurecer no escorredor. Logo, ponha no recipiente onde será servido e despeje o abundante molho branco em seguida. E pronto!

Falo com confiança que é mais difícil redigir essa receita do que fazer. Chame os amigos, pois rende umas 10 porções!


Couve
A couve é uma hortaliça muito rica em minerais (cálcio, ferro e fósforo) e vitaminas (A, complexo B e C). Ela é excelente para combater problemas digestivos, enfermidades do fígado, cálculos renais, menstruação dolorosa, artrite, bronquite, além de curar úlceras estomacais.
A couve pode ainda ser utilizada para evitar ressacas, aliviar a prisão de ventre (devido ao seu alto teor de fibras), evitar a má disposição e aliviar dores causadas pelas úlceras gástricas.
A couve é depósito formidável de iodo, devendo ser consumida regularmente por portadores de bócio ou papeira — doença originariamente produzida por deficiência na ingestão deste mineral.
O iodo da couve é constituinte essencial da glândula tireóide, participando na produção diária dos hormônios tiroxina (T4) e triodotironina (T3).

Suco de Couve
O suco de couve é um tônico mineralizante excelente para o organismo, além de atuar como vermífugo e estimulador do apetite. Apesar de o suco possuir um teor de calorias muito baixo, ele satisfaz a sensação de apetite. Sendo assim, pode ser recomendado para tratamento em obesos. É muito rico em enxofre. Por isso, pode ser utilizado para combater a seborreia do couro cabeludo.

***


Eles não estavam planejando um bebê naquele momento. Mas como a maioria das crias atuais, resolveram levar adiante a gestação. E desde muito cedo, Melina e Mario decidiram que suas ideias vegans iriam ser transmitidas ao seu filho que acabara de nascer. Foi muito difícil lutar contra o resto do mundo que queria ditar como deveriam criar Danilo. Desde aplicação de vacinas até introdução de leite nos primeiros dias de vida dele. Foi difícil explicar os motivos pelos quais eles, os pais acreditavam naquela educação. Como as balas e doces eram feitos e coloridos. Como as vacas eram tratadas para produção de leite. Como os ovos eram produzidos em granjas.
E Danillo cresceu forte e saudável sem nunca ter sentido o sabor de outro leite a não ser o de sua mãe, mamífera, assim como qualquer humano é. E assim como qualquer mamífero, o único leite que lhe cabe numa alimentação saudável é o de sua própria espécie.

Desprezível Comparação

Posted: 24 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
2

Nenhum porco é imundo,
Nenhuma galinha é promíscua,
Nenhum burro é ignorante,
Nenhuma raposa é ladra,
Nenhum crocodilo é falso,
Nenhuma vaca é epicena,
Nenhum veado é gay,
Nenhuma serpente é vil,
Nenhuma cachorra é vulgar,
Nenhuma piranha vive em cio,
Nenhuma preguiça é lerda,
Nenhuma ovelha é rebelde por ser negra,
Nenhum elefante é obeso,
Nenhum corvo traz agouro,
Nenhum macaco é racista,
Nenhuma orca é assassina,
Nenhuma víbora é traíra!
Nenhum tucano tem nariz,
Nenhum pinto gosta de lixo,
Nenhuma égua é mãe de humano,
Nenhuma arara vive irritada,
Nenhum pavão é enfeitado,
Nenhum caranguejo anda pra traz,
Nenhuma hiena dá rizada,
Nenhum animal merece comparação tão desgraçada
De ser nivelado a humano! Quem ama animal alegoria tal não faz!

Odeio Rodeio - Instrumental

Posted: 23 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Música criada em homenagem a todos os ativistas dos Direitos Animais que participaram do Twitaço desta terça-feira (23/08/2011) em protesto à festa do Peão de Barretos. Pela libertação animal! A movimentação chegou ao 1º lugar no Twitter Trends Brazil!
Capa Promo ET6: É Melhor Odiar Rodeio Do Que Ser Humano!

Terráqueos (filme) Earthlings - DOWNLOAD

Posted: 22 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: ,
1

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 DOWNLOAD COMPLETO (Legendado PT/BR em AVI)
Origem: Estados Unidos
2005 •  cor •  108 min 
Produção/Direção:  Shaun Monson
Elenco original:  Joaquin Phoenix
Género: documentário
Idioma original: inglês

Earthlings (Terráqueos, em português) é um documentário estadunidense de 2005, escrito, produzido e dirigido por Shaun Monson e co-produzido por Persia White. É narrado pelo ator e ativista dos direitos animais Joaquin Phoenix, que também é vegano e membro da PETA, maior organização de defesa dos direitos animais do mundo. A trilha sonora foi composta exclusivamente para o documentário pelo músico Moby.


Todos deveríamos saber a verdade e a realidade que está por detrás daquilo que comemos. Vejam este filme sem virar a cara para o outro lado. A ignorância e recusa a ver a realidade só contribuem mais com a tortura


Sinopse
O filme mostra como funcionam as fazendas industriais e relata a dependência da humanidade sobre os animais para obter alimentação, vestuário e diversão, além do uso em experimentos científicos. Compara o especismo da espécie humana com outras relações de dominação, como o racismo e o sexismo.

Informações sobre o filme
O filme faz estudo detalhado das lojas de animais, das fábricas de filhotes e dos abrigos para animais, assim como das fazendas industriais, do comércio de peles e de couro, das indústrias da diversão e esportes, e finalmente, do uso médico e científico.
Terráqueos usa câmeras escondidas para detalhar as práticas diárias de algumas das maiores indústrias do mundo, todas visando o lucro com os animais.
O documentário levou cinco anos para ser produzido e, o que começou como uma série de uma campanha de conscientização pública sobre castração de animais de estimação, se tornou um longa-metragem que buscou tratar de cada tema principal relacionado com os animais.
Shaun Monson começou as filmagens para as campanhas de conscientização na Califórnia, no Estados Unidos. Assim que as filmagens terminaram, Monson passou a se interessar por outras áreas correlatas, como alimentação e pesquisa científica. Nesse meio tempo, ele acumulou uma pequena biblioteca, colhida em várias organizações, e começou a escrever um roteiro.



"Uma vez que todos nós habitamos a Terra, somos todos terráqueos. Não há sexismo, racismo ou especismo no termo “terráqueo”. Ele abrange cada um de nós: de sangue quente ou frio, mamífero, vertebrado ou invertebrado, pássaro, réptil, anfíbio, peixe e humanos. Humanos, então, não sendo a única espécie no planeta, compartilham este mundo com outros milhões de criaturas vivas, já que todos vivemos aqui juntos.
Entretanto, é o terráqueo humano que tende a dominar a Terra. Frequentemente tratando outros terráqueos e seres vivos como meros objetos. Isso é o que significa “especismo”. Por analogia ao racismo e ao sexismo, o termo “especismo” é um preconceito ou atitude tendenciosa em favor dos interesses dos membros de sua própria espécie e contra os membros de outras espécies. Se um ser sofre, não há justificação moral para se refusar e levar esse sofrimento em consideração. Não importa a natureza do ser, o princípio de igualdade requer que um sofrimento deva ser considerado igual a um sofrimento semelhante de qualquer outro ser.
Racistas violam o princípio de igualdade dando maior valor aos interesses de sua própria raça, quando há conflito entre os seus interesses e o interesse de uma outra raça. Sexistas violam o princípio da igualdade favorecendo os interesses de seu próprio sexo. De forma similar, especistas permitem que os interesses de sua própria espécie sobreponham interesses maiores de membros de outras espécies. Em cada um dos casos, o padrão é idêntico.
Eles estão entre os números da família humana que reconhece a imperativa moral do respeito: todos humanos são alguém e não coisas. Moralmente, tratamento desrespeitoso ocorre quando aqueles que se encontram no poder e tem uma relação de poder, tratam os menos poderosos como se fossem meros objetos. O estuprador faz isso com a sua vítima. O pedófilo faz isso com as crianças que ele molesta. O senhor com seu escravo. Em cada um e em todos estes casos, humanos que têm poder exploram aqueles que não o têm. Pode o mesmo ser verdade para como os humanos tratam os outros animais? Ou outros Terráqueos?
Sem dúvidas existem diferenças, uma vez que humanos e animais não são iguais em todos os aspectos. A questão da igualdade usa uma outra face. Concordamos que estes animais não têm todos os desejos que um humano tem. Concordamos que eles não compreendem tudo que nós humanos compreendemos. No entanto, nós temos alguns desejos em comum e compreendemos coisas que eles também compreendem. O desejo por comida e água, abrigo e companhia, liberdade de movimentos e de não sentir dor.
Esses desejos são compartilhados por animais não-humanos e humanos. Como os humanos, muitos animais não-humanos entendem o mundo no qual vivem. Senão eles não poderiam sobreviver. Então, apesar de todas as diferenças, há igualdade. Como nós, esses animais incorporam o maravilhoso mistério da consciência. Como nós, eles não somente estão no mundo, mas estão cientes dele. Como nós, eles são o centro psicológico de uma vida que é somente sua. Nestes princípios fundamentais, humanos estão lado a lado com os porcos, vacas, galinhas e perus.
Qual é a nossa obrigação com esses animais, como devemos tratá-los moralmente, são perguntas cujas respostas começam com o reconhecimento da nossa semelhança psicológica com eles. “No seu comportamento em relação aos animais todos os homens são nazistas. A presunção com a qual o homem pode fazer o que quiser com outras espécies exemplifica as teorias racistas mais extremas: a lei do mais forte”. A comparação com o Holocausto é intencional e obvia. Um grupo de seres vivos angustia nas mãos de outro. Embora alguns possam argumentar que o sofrimento de animais não possa ser comparado ao sofrimento dos judeus e escravos, há de fato um paralelo. E para os prisioneiros e vítimas deste assassinato em massa, o seu holocausto está longe do fim.
Nós precisamos de um conceito mais novo, sábio, e talvez mais místico dos animais. Longe da natureza e vivendo através de artifícios complicados, o homem na civilização vigia as criaturas através do vidro do seu conhecimento e vê, portanto, os detalhes de uma pena, mas uma imagem geral distorcida. Nós, os padronizamos por serem incompletos, pelo seu trágico destino de terem se formado tão abaixo de nós. E nisto nós erramos gravemente. Pois os animais não podem ser avaliados pelo homem. Num mundo mais velho e mais completo que o nosso eles se movem completos e confiantes, dotados com extensões dos sentidos que nós perdemos ou nunca possuímos, guiando-se por vozes que nós nunca ouviremos.
Eles não são irmãos, eles não são lacaios. Eles são outras nações, presos conosco nesta vida e neste tempo, prisioneiros do esplendor e trabalho da terra."


***
Pensei inicialmente em fazer uma publicação de um zine ou de algum material em PDF, mas depois reconsiderei sob a máxima de que uma imagem vale mais que mil palavras! E este filme justifica perfeitamente isso. Poderia ter postado livros e livros que simplesmente seriam lidos e imaginados pelos leitores. Já com esse filme não existe meio termo. É a realidade que gostaríamos que não existisse! Mais nua e crua do que se pode querer saber. São imagens fortes e impactantes que fazem qualquer um pensar onde é nosso lugar como terráqueo. Um filme que provavelmente mudará sua vida! E que faz mais uma vez sentir-se vergonha em ser humano!

Faça a conexão!

Evolução Da Liberdade

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Só haverá evolução humana, quando não escravizarem outras naturezas.
Só será certa a liberdade quando a liberdade alheia for mais importante!
Só haverá progresso humano quando não aprisionarem todas as belezas.
Só haverá liberdade quando se livrarem da comparação de vírus causticante!

Só haverá evolução humana quando a dor alheia for levada em consideração.
Só será livre quando não mais cortar asas alheias por vaidade ou prazer.
Só haverá evolução quando não se infligir dor por gula ou diversão!
Só haverá liberdade quando nenhuma grade prender o alheio viver!

Só haverá evolução quando perceberem que isso não é questão de disputa.
Só haverá liberdade quando nenhum humano ansiar por mais poder...
Só haverá evolução ou liberdade quando não mais forem prêmios de tanta luta!

Por Ser Eu - Audiopoesia

Posted: 18 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Capa Promo ET5: É Melhor Ser Eu Mesmo Do Que Ser Humano!

Testes Por Um Bem Maior!

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
1

Samael justificava os experimentos que fazia em lebres, em chimpanzés e em cachorrinhos dizendo que tudo era em nome da ciência assim como para o bem da humanidade. Perdeu a conta de quantos testes foram feitos para tal bem. Apesar de não ter conquistado nenhum resultado significativo que já não tivesse sido descoberto e exposto sem uso de animais.
Ainda assim sentia-se um artífice da evolução humana. Sentia-se parte da história! E foi justamente essa aspiração que chamou a atenção de alienígenas que o capturaram para fazer dezenas de experimentos em prol de toda vida no universo! Afinal, um novo vírus estava sendo descoberto!

Ninguém sabe ao certo nesse caso, se a historia de alienígenas é real ou se fora algum grupo que por algum acaso achou sua raça ou etnia mais evoluída ou pura. Dando assim qualquer direito sobre Samael. 

Morte Natural?! - Culpada!

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Coleção "Morte Natural!?" Dedicada a gatinha "Suspeita #4" Que foi a óbito depois de ingerir um rato provavelmente envenenado... Mais uma lágrima rola...

Junto Com A Tribo, A Raiz Cresce!

Posted: 16 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Enquanto humano o planeta incendeia
              Um sonho de liberdade floresce,
                             Em cada mente que semeia.

Resenha Do Álbum "Lux Alt - Por Uma Liberdade Mais Ativa!" [2011] Por Anita E.

Posted: 14 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
1


Disponível para audição e download no site oficial homônimo a partir deste domingo 14/08/11 o Por Uma Liberdade Mais Ativa! - quinto álbum D.I.Y. do compositor e mixer Lux Alt - é oscilante viagem de registro das postagens do blog até a atual data. Para Lux, as músicas formam espécie de diário dessa passagem iniciada no dia 01/01/11 com o texto que aqui no álbum foi dividido em quatro partes formando respectivamente Introduções e Outros. A compilação completa conta com 2 discos de músicas, mais um terceiro disco de faixas bônus bem legal e complementar, mais uma pasta com a artwork do álbum e outra pasta com Zines e Livretos bem interessante! Ainda não li todos, mas a resenha principal a qual me aterei vai ser dos dois discos principais: Por Uma Liberdade Mais Ativa Vols. 1 e 2. Onde reafirma que ele está aqui para essa atividade incansável de produzir, no intuito de libertar um pouco os ouvidos de quem ouvir.
Conceitos à parte é álbum de difícil digestão, tendendo ao experimentalismo nem sempre feito com austeridade. E excedendo a quantia de faixas! É material demais pra se digerir de uma vez Lucas! Essa forma de zine é mais complexa de se degustar!

Entre o eletrônico tema instrumental que abre o disco a Intro 1 com som de pássaro ao fundo, parece cantar um convite interrogativo. A ideia de repetir o mesmo som no Outro faz confirmar a divisão do texto. Que por sinal é belíssimo! E aparece em formato completo no disco bônus.
A segunda faixa é Assassinato Colateral Parte 1 é uma faixa dançante que tem ao fundo o áudio revoltante da gravação divulgada pelo Wikileaks nesse vídeo aqui. A comunicação militar parece encaixar perfeitamente no ritmo. Não sei como ele fez isso, mas funcionou corretamente. Seguindo vem com som de trem a audiopoesia Colheita De Pensamento, que parece ser recitada em uma estação férrea. Dando bastante ênfase a voz grave de Lux. Incognito Gender me fez dançar em janeiro, e lembro bem como tinha gostado do experimentalismo repetitivo dessa faixa. Só que aqui ele cortou e tirou parte da musica adicionando mais vocais robóticos. Ficou boa, mas eu preferia a completa.
The Most Basic Fear é uma canção simples que fica entre a musicalidade experimental e audiopoesia dissolvida. O efeito metálico segue para uma corda sendo dada em uma caixa de música, com uma belíssima harmonia que serve de fundo para Comportamento De Engrenagem, encaixando certeiramente. E logo se fecha um bloco com Assassinato Colateral Parte 2, em uma melodia que parece um lamento elétrico. Onde quis dar atenção merecida aos tiros. E que mais uma vez se adapta ao áudio do vídeo continuado aqui.

Uma introdução em cordas graves abre a parte que ilustrou o mês de fevereiro desse ano. Onde Lux Alt quis fazer uma trilha para o tema do blog que na ocasião era o Casa Das Mariposas. Assim, todas as faixas de tal mês eram relacionadas ao conto.
Mariposas Pálidas é uma faixa triste e pesada. De uma poesia sensível e severa. Fala de um acordo belíssimo. É seguida da medíocre Ocupar Resistir que não faz sentir muita coisa, mas parece encher o pacote com a repetição nos dois ouvidos separadamente. Condições Ideais Para Liberdade é simplesmente demais! Tanto a poesia, quanto a melodia, não saem da cabeça. Até a estática da melodia tem ritmo! A versão que estava disponível no blog era cortada. Libera Amo embalou muitas das minhas noites regadas a vinho e cigarro. Ela tem uma sensualidade íntima. Com a voz grave repetindo Libera... Amo! Parece um pedido e uma ordem! Fez-me ter orgasmos com essa quase instrumental! Imagino uma banda bem composta e Lux no vocal, mas daí lembro que isso tudo é feito por uma pessoa só. É de impressionar!
Uma batida simples com guitarras distorcidas metálicas veste Vício Em Liberdade, e é daquelas mensagens que você sente que é pra você. É uma poesia com lamento, rancor e soberba. Mas tudo muda com a dançante Vendeta. Música que faz você mexer o esqueleto tendo experiência única em fones de ouvido. Mas confesso que a surpresa me assustou no final da faixa! E mais um bloco se fecha com a nuance do conto Casa Das Mariposas.

No mês de março, foi o mês de lançamento do álbum anterior de Lux Alt – DeMente, qual ainda estou apreciando! E o tema não poderia ser outro senão loucura. Penso... Logo Desisto De Pensar! Tem uma composição aguda de piano, que fica na mente por vários momentos. Seguindo por Criatividade + Vontade = Insanidade! Que é introduzida por uma moça falando em mandarim (acho) e consegue transportar um clima de buraco, ou o que a mente teria de profundo e grave.
Medo Irracional conseguiu um efeito de alerta. E não tem como você fechar depois os ouvidos à poesia entoada em um ponto do ouvido que faz sentir diferentemente essa faixa. Ainda mais pelas vozes sinistras que perambulam o clima denso.
Apesar de ser completamente sintética e instrumental, Rorschach é de uma ternura triste nunca experimentada antes. Não estou sendo piegas ao dizer que é emocionante mesmo! Toca profundamente. Momentos A Deriva ficou a deriva no disco. Simplesmente não convence a formula de eletrônico medieval meio Era, meio trailer de jogo de RPG. Só a poesia e o fundo dessa escapam, pois encaixou perfeitamente com os ponteiros do relógio.
Uma frase em árabe que diz: Por baixo dessa carne existe um ideal. E as ideias nunca morrem... As Ideias Nunca Morrem... Retirada perfeitamente de V de Vingança. É dançante e impulsiva! O Outro, tem a melodia igual a Intro, como mencionei, mas dá para notar que o som do pássaro ao fundo é diferente. E segue a 2ª parte da poesia que dá o título do álbum.
O Disco passa mais rapidamente do que se espera. Gostei também da faixa bônus Responsabilidade, que é um rap de linguagem mais culta mostrando assim outro enfoque de Lux Alt... E nesse disco de mais ou menos 73 minutos ele adensou seus sons e ideias. Transbordando psicodelismo e inovação! Pega bem para se ouvir no fone de ouvido na correria diária.


Por Uma Liberdade Mais Ativa Vol.2, o segundo disco é introduzido por uma faixa semelhante à Intro do 1º disco. E mais uma vez um diferente pássaro canta! Chamando a mais uma viagem ativa em asas livres. No geral já achei as faixas mais experimentais e parecem ter uma assinatura. Dá pra conceber o processo de criação dessas composições. Tudo está mais homogêneo ao mesmo tempo livre! Logo em Empty Garden, um som repetitivo faz abrir nossos corpos para uma torrente de sentimentos entoados por melodias simbólicas e transcendentais. A frase final dessa faixa faz tocar no íntimo da solidão. Reprodução – Dança Do Sacrifício fala em voz de um inumano. Apoiando a contracepção e advertindo o problema e ou sacrifício de se ter mais um ser como eu e como você. No Cemitério é mais uma compatível de denúncia como Assassinato Colateral. Em momentos chega a ser tenso ouvir essa faixa pelo risco que a pessoa no áudio passa coisa certeiramente acompanhada pela melodia. Um Despertar Para Volta parece seguir a mesma linha de faixas que embalaram o mês de abril. É uma faixa que não fede nem cheira. Infelizmente uma que fica logo no esquecimento. Enkoyito Style é um chamado em haitiano crioulo aos companheiros Incognitos a uma dança cacofônica. Tem um espirito ingênuo e muitas vezes você pensa estar ouvindo vozes ressoando dos sintetizadores cíclicos. Bem dançante, mas não aconselho escutar em fones de ouvido essa. É um experimento desagradavelmente estranho.
A Chance To Sow tem uma bela poesia que é recitada em inglês, e segue o mesmo fluido estilo das primeiras faixas, mas finaliza sem glamour esse período de abril.

Workaholic abre a peça que fala de trabalho com uma frase de Bob Black. A melodia contagia e tem um ar misteriosamente ácido. Como se remetesse ao som de uma fábrica em velocidade reduzida. Era Dos Para-Choques esteve em meu mp3 por muito tempo. Ela tem a vestimenta ideal desse tema que é o trabalho. Uma bela melodia que não deixa a desejar em nada. Parece que Lux encontrou uma identidade ao duplicar a voz nessa música de poesia derrotista e bela. Curriculum Vitae começa como se tivesse um pedaço cortado, uma jogada interessante quando se fala em historia de vida profissional. Dançante, mas deixa a desejar batidas mais marcantes.
Trabalhar Mata Parte II é de uma delicadeza áspera e sorumbática que faz entrar no coração e rever nosso julgamento de vida trabalhista. “Um dia a ficha cai, e tudo não valeu!” Isso está martelando até hoje em minha mente.
Previdência (La Seguridad) tem um aspecto de reconhecimento e parece um bailado sem sentido ao abancar. Mas vai assumindo forma até se dividir em polaridades auditivas que consomem o resto de esperança tomada pela voz firme e vagarosa que em italiano relata um ponto da nossa existência alienada. E Naturais Papeis Escolhidos volta ao alívio de audiopoesia simples fechando mais uma peça.


Palmas abrem Adorcismo, de melodia refrescante, mas de vozes inquietantes. Lembro que quando ouvi pela primeira vez essa faixa eu gargalhei muito. E não tem como ficar parada com a batida virada e possuída dessa composição. Adorei a letra que ficava repetindo no caminho de volta do trabalho.
Com Amor Profeta... É uma resposta aos evangelizadores que teimam em querer impor suas alienadas religiões proféticas. E é nesse ponto que você nota que o álbum está evoluindo, com suas audaciosas temáticas ateias. Quando começa Sonhos & Mitos. De simples e coerente harmonia faz você atentar-se e esperar algo que não sabe em que porta está ou estará. Pergunta Fundamental merece um mérito especial pelos encaixes perfeitos dos vocais. Faz sentir uma corrente arejada de ar diluindo a face da verdade. Mas parece menos poética do que Lux costuma fazer. SkyFire, parece a mais experimental do disco. E apesar de ter pouca evolução, consegue passar certa tensão gradual.
O Outro retoma a melodia do início com outros pássaros convidando a libertação. Destino Mútuo é outro rap bônus. De melodia despojada, mas de poesia rica. Dá para intuir que foi usada como brincadeira mesmo.

Saber que as imagens que ilustram as capas dos discos são fotos realizadas por Lux no jardim de sua residência, evidencia um outro caminho a se explorar nas artes! Direção de arte belíssima da compilação! E o arranjo em peças mensais faz a gente sempre esperar mais artes ilustrativas das capas promocionais desse trabalho tão completo e organizado que é o do blog!
Gostaria de explanar mais sobre as outras pastas do álbum mas já me excedi em palavras. Vale a pena conferir, pode mudar sua vida! É como posso simplificar.
Enfim um final feliz, em meio a recaídas, paixões, impulsos, rancor, sexo, violência, trabalho, amor e liberdade. Mesmo quando Lux Alt parece vociferar, é meigo. Um pouco desequilibrado e, em especial, vulnerável, o narrador sempre retêm um caráter soberbo e normalmente confiante, verbalizados por uma voz que mescla uma inconfundível dose de jovialidade e audácia.
Apaixonante.
Anita E.
Jornalist@

Go Shortbus, I Will! - Instrumental

Posted: 13 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Capa Promo ETs4: É Melhor Ser Diferentemente Igual Do Que Ser Humano!
"Dedicada a todos que sabem que todos são igualmente diferentes!"

Simples Mudança Natural

Posted: 12 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Simplesmente não faz sentido justificar tortura como cultura,
Não faz sentido justificar dor imposta a outro ser senciente.
Quem cala consente as atrocidades perdurarem sem censura,
Não faz sentido se dizer superior se nem mesura alheia sente!

Simplesmente não é complicado se recusar a infligir tanta dor!
Não faz sentido continuar a torturar se não há tal necessidade.
Quem sabe o que é liberdade jamais vai querer prender ou impor,
Não faz sentido amarrar quem diz que ama por glamour ou vaidade!

É tão simples libertar outro parente quanto ser natural!
É simples fazer a mudança quando vê que o lugar alheio não é indolor.
Antes de sentir-se humano superior é mais simples sentir-se um animal!

Sendo Outro - Audiopoesia

Posted: 10 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0


Capa Promo - ET3: É Melhor Ter Duas Cabeças Do Que Ser Humano!

Melhor Cativeiro

Posted: 9 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Que sempre aprisionemos os animais não-humanos,
Em câmaras sem ar!
Fotográficas!

Suspeitos Da Morte Natural!?

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0







Presente Ao Algoz

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
1

José dos Santos sempre criou pássaros em sua casa. Dizia que os adorava. Gostava de ouvi-los cantar às manhãs e ao fim da tarde. Ficava horas a finco sentado em uma cadeira de balanço rodeado de gaiolas com as espécies mais exóticas que tinha conseguido sem nenhuma dificuldade nas feiras livres ao redor do mundo.
E mesmo gostando muito de todos e mantendo em gaiolas. Ele gostava, ou dizia gostar especialmente de um papagaio chamado Horácio que tinha desde jovem. Horácio já estava bem velho e suas asas de tanto terem as penas aparadas já não sabiam voar. E foi num dia de extremo inverno que o papagaio morreu ao relento, vendo o céu que não conhecia realmente.
Mas antes deixando um presente para seu algoz. Uma psitacose bem escondida! Que o fez sofrer por longos cinco anos evoluindo em encefalopatia, hepatites, tromboflebite superficial, endocardite, pericardite e miocardite. Tão bem escondidas que nem com autópsia conseguiram diagnosticar a causa inicial da doença que levou ao óbito José dos Santos.

We Are Intruders - Instrumental

Posted: 8 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Capa Promo ET2: É Melhor Ser Alienígena Do Que Ser Humano, Intruso!

Impotência Refletida

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

De frente olho no olho,
As feridas parecem refletir.
Tudo que você sente, eu sinto...
E sinto mais ainda por não fazer mais por nós.
A tortura está no bel-prazer do que diz carnal...
Eu não tenho tanta energia...
Eu não tenho tanta astúcia...
Eu não tenho tanta bravura!

De frente tão perto, vendo o pelo...
As penas, os espinhos, as escamas...
Tanta dor e nossa carne tão delicada e flácida.
Ao lado, todos querendo um pedaço,
Eu me rendo ante tanto ódio sem justificativa.
Não há justiça que apague tanta agonia.

De frente para o mundo,
Vejo mais do que meus olhos podem tolerar.
Afogo-me sem ar de tantas barbaridades.
Tudo sentido perdido em um único minuto.
Eu não tenho tanta energia...
Eu não tenho tanta astúcia...
Eu não tenho tanta bravura!
Eu só caí em lamúria...

First Sensation - Poetronic Music

Posted: 6 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Poesia originalmente publicada em português em 10/05/2008.
Capa Promo - ET1 :É Melhor Ter Só Um Olho Do Que Ser Humano!

Miséria Concedida

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Tantas mentiras passam despercebidas abaixo de nossa consciência.
Temos nos cegado de proposito acomodados em suja impotência!
Tantos assassínios ficaram impunes por nossa vaidade egoísta,
Temos anulado os sentidos de pele, de paladar, de cheiros e vista.
Nenhuma clemência! Nenhuma conquista!

Tantas metáforas foram usadas para justificar a sangrenta agonia,
Temos aceitado calados, as palavras de fascismo como vulgar poesia.
Tantas vidas foram declamadas sem nenhuma consideração final,
Temos evitado sentir alheia dor porque qualquer dor não é natural.
Nenhuma anestesia! Angústia descomunal!

Tantas peles foram cortadas, queimadas e mutiladas ao nosso prazer,
Temos sempre mentido nossa inatividade para ter o nada por fazer.
Tantas essências não serviram para preencher nossa casca oca,
Temos nos enchido de restos alheios para consolar essência tão pouca.
Sem mais o que dizer, se a verdade parece simplesmente louca.

Desespero Do Existir

Posted: 5 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Às vezes parece até insano,
Pensar tanto em desistir
De ser humano!

Morte Natural?!

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Plateia Do Ódio

Posted: 3 de ago de 2011 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
1

Eu preso em minhas grades, deixei cair livres as lágrimas somente.... Oh! Pude testemunhar uma cena bestial! Bestial!
Só porque ele é naturalmente diferente? Sim somos diferentes! Só porque ele se comporta de acordo com seus instintos? Ao mesmo tempo em que tantos gostam, tantos odeiam... Todos temem o que sua espécie pode causar! Toda a população desmerecida e degradada!
Ainda ouvi uma mulher falar: Isso é coisa do demônio!
Acredito, ele tentou escapar, tentou se defender... Mas o que fazer contra uma multidão enfurecida por uma ideia? Ainda mais quando a ideia arma-se contra o medo de puro ódio!
Eu vi ali, atrás das grades de meu portão um homem empunhando uma barra de metal enorme e batendo ferozmente em sua cabeça. Eu vi uma mulher jogar um paralelepípedo em suas costelas. Eu vi o pobre pit bull com a cabeça ensanguentada e deformada. E eu contra tudo nada fiz atrás das seguras grades. Só me envergonhei por ser humano...


Dedicado ao querido pit bull que foi espancado e provavelmente morto na tarde de 03/08/2011. À você, minhas lágrimas impotentes e covardes!