Verborréia Volume 3.2 - Sorriso Diário Deluxe - Por Lux Alt

Posted: 22 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

"Que sempre possa haver mais flores do que engrenagens!"

Esta é uma produção totalmente independente. Inteiramente Faça Você Mesmo! E ninguém vai se responsabilizar por nada! Estas são faixas que não entraram na tracklist do cd Sorriso Diário, mas que a meu ver, ainda complementam a idéia do volume 3. Mais algumas musicalidades extras para ouvir e curtir.

Tracklist:

01 – Miss Justiça (Versão Estendida) - (06:30)
02 – Sonial (Versão Estendida) - (11:00)
03 – Canela & Chocolate [Instrumental] - (05:08)
04 – Esta É Sua Vida + Reprise [Instrumental] - (06:22)
05 – Bons Tempos Imemoráveis (Sal & Pimenta Mix) - (03:57)
06 – Sorriso Diário (Kubikiri Basara Instrumental Extended Mix) - (11:54)
07 – Girassol Ou Engrenagem? [Instrumental] - (04:55)

Gravado na primavera de 2010.

O Que Não Está No Rótulo 6

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
2

Ao comer o panetone com ovos e leite no Natal,
Você aprisiona galinhas e vacas em gaiolas,
De diárias torturas até o dia de sua paz final.

Usar uma aspirina Madley contra dor de cabeça,
Você injeta doses cavalares de anestésicos,
Na cabeça de um ratinho sem defesa.

Ao usar um “inocente” creme dental Colgate,
Você escova com flúor os olhos,
Do cachorrinho que na cela se debate.

Ao fumar um cigarro Souza Cruz,
Você faz uma macaca gestante fumar,
Para saber-se a que fim se (re)induz...


Maçã (Eterna Ou Fresca?)

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Em mãos cheias de chagas inerentes
O perdão parece casca de ferida seca,
Tantas hóstias parecem atraentes
Quando se tem real fome burlesca.

Sinto muito se não sentimos nada
Nem alma nem culpa dissimulada,
A cilada de se ter uma vida aprisionada
Para se livrar na eternidade sagrada,

Eternidade é a realidade
De quem acredita em sagrado jardim
Quem comeu a maçã da insanidade?
Realidade é a eternidade,
Pois nada pode ter-se começado nem fim.

O reflexo de vida só existe realmente
Em um micro-tempo inadiável,
Tão ínfimo para o universo reticente
Que o inverso nos é insuportável.

Você é tão visível e notório,
Quanto o átomo que caiu no ralo.
Você é tão sensível e contraditório,
Quanto o santo pecado que sai do falo.

Promiscuidade é a espontaneidade
De quem sonha com sagrado jardim
Quem comeu a banana da sanidade?
Realidade é a eternidade,
Pois nada pode ter-se começado nem fim.
Para ser-se eterno, não pode ter-se começado nem fim.
Nem começo nem fim...

Banho De Café

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
1

O café esfria e cada vez fica mais doce,
O vazio da existência se enche do oco.
O eco se repete e por mais que cheio fosse,
O sentimento de solidão parece pouco.

O café mais amargo não faz esquecer,
Que no passado ainda havia perfume.
Sempre em contradição ao alvorecer,
Não deixeis apodrecer em falso ciúme.

O café sempre parece atraente ao deitar,
E quanto mais prazer, mais cafeína.
Não adianta tentar sonhar nem contar...
Os carneirinhos estão nadando na piscina.
E de café se banham...
Carneiros e ovelhas se pintam de negro para se rebelar.

Simbolizando Sanidade

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Quando o simbolismo se tornou
Mais importante do que os detalhes,
Você me disse que poderia confiar
No que eu estava tocando.

E por mais que tentasse acreditar,
As palavras não têm o mesmo tato.
Tudo o que era fantasia ainda é.
Só se torna real ao toque imaginário.

Você fechou meus olhos,
E ao abrir, eu vi os teus.
Olhos nos olhos e mais,
Algo mais real é impossível...

E o tempo de criar,
Passa do mesmo modo
Que cai a areia temporal.
Tanto faz ao final
Quem foi são ou irracional.
“The Future Is Now!”


Dia Qualquer (Previsões Épicas)

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Dia qualquer não mais existirá nem carniça,
As engrenagens servirão de alimento,
Algum dia não mais haverá sentimento.
Nem mesmo cobiça.

Vida Vazia

Posted: 21 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

De cabeça no furacão
Nas ondas do passado...
De corpo na imensidão,
Sem culpa, sem pecado!

Dizem que não sinto dor,
Porque não choro por fora.
Eu sinto tanto frio e calor,
Que a essência devora.

E lá não estava ninguém
Esperando para o resgate.
Não houve mal ou bem,
Todo contexto sem parte.

A fome que consome e não cura,
A lágrima que seca é lacuna da vital fantasia,
A dor que desmaia não é loucura.
A vida que esvai entre os dedos está vazia...

Agridoce Mutação

Posted: 20 de dez de 2010 by Lux Alt in
1

Temos visto as mutações das estações,
Contribuindo cada dia para a devastação.
Temos visto as mutações dos gêneros,
Segregando cada vez mais em suas contradições.

Temos visto as mutações das religiões,
Distorcendo a fé por uma fal$a $alvação.
Temos visto as mutações das economias,
Sugando cada vez mais o máximo de quem nada tem.

Temos visto mais do que realizamos.
Em desiguais permutações...
Você tem suas razões, eu tenho minhas razões...
Nenhuma razão era igual à proposta das mutações.
Você tem suas razões, eu tenho minhas razões...
Nenhuma razão é igual...

Temos visto tanto tantas mutações,
E deixamos a realidade se transformar para pior,
Temos contribuído com essas visões,
Praticado sem nenhuma clemência, nenhuma dó...

Temos visto mais do que realizamos.
Em desiguais permutações...
Você teve suas razões, eu tive minhas razões...
Nenhuma razão era igual à proposta das mutações.
Você teve suas razões, eu tive minhas razões...
Nenhuma razão é igual...

Medo Do Início

Posted: 18 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Todos nos movemos para mais uma
Encruzilhada de emoção.
Sempre tentando demonstrar
As fraquezas que o torna forte.

Você me disse que não sobreviveria
A ânsia duma prisão,
E por mais que a guerra estourasse,
Preferiria a morte.

Finalmente bate a porta
Oportunidade de emancipação,
Por mais que a vida esteja por um fio,
A navalha ainda tem corte...

Você me disse que não sobreviveria
Dependendo de sorte...
Você me disse que preferiria
A morte... 
Você me disse que preferiria
A morte... 

Risco Da Visibilidade

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Convivemos como vírus numa sociedade massacra a convivência,
Temos nos tornado invisíveis perante o medo da existência.
O maior risco para nossa espécie é o espelho da demência.

Os Olhos Vêem (O Que Eu Não Vi)

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Eu não vi
Nenhum animal não humano
Com artilharia,
E tu dizes que é cadeia
Alimentar e que,
É respeitada...

Eu só vi egoísmo,
Vaidade e crueldade
Encadeada...


E quem está na cadeia 
Não passa de algoz,
Da própria destruição...

Eu não vi
Nenhum animal não humano
Conspirar a queda
De sua própria espécie.
Eu não vi,
Eu fiz...

Era Simplesmente Negar

Posted: 17 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: ,
0

Era possível que não víssemos as angustias,
Deveríamos ter negado as aparências falsas.
Quando o aconchego não passa das calças,
E são instituições além da imaginação de indústrias.

Era previsto que não veríamos adiante a derrota,
E por onde pisamos, o rastro foi só degeneração,
Quanto mais se tenta solucionar a revolta com segregação,
Mais dores vêem em nome de quem diz que se importa.

Era o caminho mais óbvio a se tomar sem se engasgar,
Um passo em falso... Mas a falsidade sempre conforta.
E o caminho das dores escondidas se mostra ao afagar.



O Que Não Está No Rótulo 5

Posted: 15 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Ao tomar um copo de cerveja Ambev,
Você patrocina a puxada do rabo do boi,
Na vaquejada que só de tortura serve!

Ao tomar um copo de cerveja Skol,
Você contribui com o sexismo da propaganda,
Que trata a mulher como objeto e só!

Esquisita Beleza

Posted: 12 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: ,
1

Era uma vez um patinho feio... Na verdade feio não é bem a palavra, posto que parâmetros de beleza variem de pessoa a pessoa. A palavra é: Esquisito. Então, esse pato não se encaixava com o mundo no qual disseram que ele pertencia. E não era pra menos... O tempo passou, e o patinho esquisito se tornou um incógnito, muito incógnito ornitorrinco.

Evolução Oca

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

A evolução
Que você propõe
Dá-me medo,
E simplesmente
Não tenho como negar.
A revolução
Que você expõe
Em segredo,
Quer-me dormente
A vagar, vagar, vagar...
E DeMente, fico a questionar,
Quem pensa diferentemente,
Pensa mais livre,
Ou se aprisiona na liberdade?

A loucura traz a cura da realidade...


Algum Dia Assustado

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Eu diria que a vida não é tão difícil
Se não tivesse chegado tão longe...
E tudo o que foi sentido não passa
De sentimentos alheios.

O que foi, nada há de ter significado
Para outrem pois nada vale de teoria,
Um dia a mais um dia a menos
E tudo o que passou não tem passado.

Como as vezes o tempo passa
E eu sinto novamente que nada mais faz sentido
Com o movimento que você faz a minha volta...
A minha mente mente para minha mente...
Mais um momento mentido...!

Fazendo Parte

Posted: 10 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Fazendo parte de tudo,
O coincidente é só o acidente da razão.
E o contraposto e balanço da perfeição.

Fazendo parte de tudo,
O tudo parece tão minúsculo quanto o reflexo,
O interior do ego é a abertura do quão é complexo.

Fazendo parte de tudo,
A margem da ilusão de ser o nada é mais real,
Pois nada é sem que o tudo exista como essencial.
O paradoxo é tão parte de tudo quanto o tudo é natural.

Grades Diferentes... Grades!

Posted: 9 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: ,
0

Respirando a água,
As grades geralmente
São de vidro transparente...

As ruas vazias, ao amanhecer,
As cores derretidas
No além mar reluzente...

Um dia a liberdade será conhecida
E a única lembrança que terá será
De liberdade.
Só mente.

Pérolas Negras

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Não carecemos de nenhum amparo ao final,
Tudo o que ambicionamos se configura em personalismo.
Tudo refletido em resíduos de diversa geração,
Por mais que neguemos, a idéia de idade a cada década faz decair.

Essa era a fronteira que estávamos tentando não ultrapassar,
Um dia sem tocar os lábios e tudo secou ao sol.
A revolução não veio por falta de quórum...
Se algo realmente incomodava alguém... Foi só momentâneo torturo.

Não precisamos de nenhuma derrota pra saber da derrota,
Nenhuma vitória importa quando nada tem grande expectativa.
E esperança é o que move a humanidade rumo a uma ilusão...
Sempre é mais fácil crer em quimeras do que não crer em nada...
Sempre é mais fácil crer no próximo, do que em si mesmo.

O Que Não Está No Rótulo 4

Posted: 8 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Ao tomar um copo de leite Itambé,
Você diminui um ano de vida,
Da vaca que não sabe o que liberdade é.


Ao comer um bombom Nestlé
Você injeta hormônios em uma vaca,
Que não pode amamentar seu próprio bebê!

O Que Não Está No Rótulo 3

Posted: 4 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Ao temperar com caldo Knorr,
Você tritura filhotes de galinha,
Que não servem para tortura maior.


O Que Não Está No Rótulo 2

Posted: 3 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Ao usar o fósforo tão fumegante,
Você corta as patas de bois,
Por mais gelatina aglutinante.

O Que Não Está No Rótulo

Posted: 2 de dez de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Ao usar o “inocente” xampu Palmolive,
Você joga ácido no globo ocular,
Da lebre que torturada sobrevive.