Múltipla Expressão

Posted: 30 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
1

Um dia você estará de frente ao espelho na mesma linha,
Não sabendo o que é real, ilusão onde e o que é ficção.
Um dia saberá que não sabe simplesmente nadinha...
Sobre o que é a vida, a morte ou sentido de direção.
Um dia você terá a mesma idéia minha...
Um dia fará sentido toda contradição.
Você pode ser e ter qualquer razão.
O limite é a imaginação.
Você pode ser e ter qualquer razão.
O limite é a imaginação.

Ser Sereno

Posted: 29 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Às vezes o mundo parece
Tão pequeno perante
A vontade de liberdade.
Ao redor tudo se decompõem
Em lampejos de surrealidade...
Além das montanhas
As luzes de um céu
Concordam com a vontade...
O corpo não pode mais conter
A força que diz pra rasgar a realidade.

Às vezes a escuridão chama
Para o aconchego
Frio e confortável,
Ao redor a lama afoga
A vontade de ser mais
Do que descartável,
E quem tanto chamou para o além
Não é tão confiável...
Tão rápido a última tentativa
De ser uma consciência estável.

Às vezes é só uma questão de pensar no vazio...
Às vezes é só se deixar levar pelo frio...
Às vezes é só o vazio. 

Auto Prisioneiro

Posted: 28 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Dentro, preso em sua gaiola particular,
Com medo de viver fora em sociedade.
Você deve se perguntar quem é cativo.
Mas se você tem medo, você é responsável!

Quanto fora de suas grades você conhece?
Com medo do ar, do dia ou da noite...
Anulando a curta existência com terror...
Se você tem medo de viver, porque está vivo?

Quem está preso?
Olhe sua porta! Ou não durma...
Nada importa! Segurança é esperança...
Esperança de mais um dia... Preso.

Um dia você verá que não valeu a pena
Se esconder da vida e a morte vir buscar.
Uma bala perdida te achará onde for...
Não adianta se esconder debaixo da cama...

Ao redor, você construiu uma fortaleza,
E se pergunta se está em real segurança.
Ao redor você teme a própria espécie e natureza.
E se pergunta quão racional é a esperança...

Quem está preso?
Olhe o seu portão! Cadeados cromados.
Quem está preso?
Qual a razão de trancar a segurança?
Esperança de mais um dia... Preso!

Vingança Natural

Posted: 27 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Quando vi o fogo se espalhando,
Pensei no castigo que viria em seqüência.
Tantas vidas em jogo se apagando...
Nenhum amigo tem a mesma consciência.

Quando vi o lixo nos rios e caminhos,
Pensei o quão encrencados estávamos.
Tudo além do precipício num redemoinho,
Pensei que afinal nada pensávamos.

Você disse que seria meu amigo,
Mas está destruindo parte de mim!
Você não entende nada do que digo,
Mas saberá que logo... Logo será o fim!

Vida cega pela ganância!
Sem esperança, sem luzes milagrosas.
Ao fim na linha da vingança!
Vingança pelas mortes vaidosas...
Vingança! Vingança cega vingança...
Sem esperança, sem luzes milagrosas.

Quando vi o fogo consumir tudo ao redor
Pensei no furacão de chamas se mover...
Tanta vida em jogo sem nenhuma dó,
Nenhuma compaixão há de comover...
Não há tempo pra reverter...
Não há tempo pra reverter...

Você disse que seria companheiro,
Mas está cavando nossa cova!
Você será nosso próprio coveiro...
Agora, você tem a prova!

Vida cega pela ganância!
Sem esperança, sem luzes milagrosas.
Ao fim na linha da vingança!
Vingança pelas mortes vaidosas...
Vingança! Vingança cega vingança...
Sem esperança, sem luzes milagrosas.


Você disse que seria meu amigo,
Mas está destruindo parte de mim!
Você não entende nada do que digo,
Mas saberá que logo... Logo será o fim!

O Melhor Sabor

Posted: 26 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Não se preocupe aqui se faz aqui se paga!
Suas mãos sempre estarão sujas de escarlate.
O sabor da vingança sempre me agrada.
Principalmente se você é quem serve sua melhor parte!

Você deixou um rastro descuidado de dor...
Sinto muito, mas nada sinto de compaixão.
Dor é dor! Vingança é única razão.

Vingança self-service tem o melhor sabor...
Não mover um dedo para ver a beleza.
Vingança self-service tem o melhor sabor...
O que faz volta para você... Lei da natureza.
Esse é o melhor sabor!

Não se preocupe, a culpa te consumirá!
Um dia a tormenta bate a porta cobrando.
O sabor do desastre humano sempre animará,
Pois assim sabemos que a dor estará cessando.

Você congelou os sentimentos puros,
Rasgando peles construindo celas e muros...
Dor é dor!

Vingança self-service tem o melhor sabor...
Não mover um dedo para ver a beleza.
Vingança self-service tem o melhor sabor...
O que faz volta para você... Lei da natureza.
Esse é o melhor sabor! Pois dor é dor!

Índole De Humanidade

Posted: 25 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

A falha de se confiar em humanos é retórica.
Está na corrente sanguínea a maldade.
Teórica, histórica verdade.

Vôo Além Do Horizonte

Posted: 24 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Eu senti, senti o chamado da natureza,
Que dizia para ser livre de tudo pelo ar...
Eu senti, senti o planeta em sua grandeza,
E ninguém sabe o quanto é singular.

Eu senti, senti além de estética a beleza,
Que está em união a todo o restante.
Eu senti, senti um momento de pureza,
E ninguém sabe o quanto é impressionante


Venha, vamos voar juntos além do horizonte!
Não há o que temer, a terra nos guiará!
Venha, vamos voar juntos além do monte!
Nenhum caçador nos perseguirá.
Venha, vamos beber da primordial fonte...
Venha, vamos voar juntos além do horizonte!

Eu senti, senti o ressoar da mãe terra,
Dizendo que nenhum desastre é em vão ou acidental.
Eu senti, senti a terra rubra depois da guerra,
Além da natureza, nada vivo é imortal!
Além da natureza, nada vivo é imortal!

Pacto Cerebral

Posted: 23 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Tudo o que havia de felicidade,
Não passou de viagem neural.
Ao final, só realidade.

Mais um milagre de ser vivo!
Tudo pode acabar a seguir,
É só sorrir de alivio.

Toda a realidade é ficção,
Mesmo que não pareça,
Esqueça o que é razão.

Todos os reais sentimentos,
Não passam sem sentido,
Esquecido momento.

Tudo o que existia de realidade,
Não passou de cilada neural...
Ao final... Só insanidade.

Mesma Pedalada

Posted: 22 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Você me disse que poderíamos fugir para bem além,
E eu não questionei onde seria o paraíso.
Você me disse que seriamos mais do que mal e bem,
Eu não avaliei que moral caberia ao juízo.

Você me disse que para o amor tudo é inocente,
E eu não perguntei se puro alguém ainda é.
Você me disse que as sombras sairiam da mente,
E eu acreditei que poderia ter alguma fé.

Estamos em caminhos adversos...
Numa busca sem pedaladas.
Somos amantes em versos,
De idéias deformadas.
Numa busca sem chegadas...

Você e eu somos mais do que parecidos,
Parentes da apatia, cansados da inércia.
Você e eu definhamos aqui esquecidos,
Parentes da apatia, cansados da inércia.

Reflexo Primitivo

Posted: 21 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Se eu tivesse sentimentos, eu poderia te amar
Seria mais do que o espectro odioso humano.
Se eu tivesse olhos, poderia te observar,
Enquanto você chama outros de insano.

Se eu tivesse ouvidos eu cantaria a melodia,
Poderia sentir teu grito de dor e sofrimento.
Se eu tivesse tato, poderia sentir o dia,
Mas a noite é a testemunha do tormento.

Se eu tivesse um coração, poderia te ter,
Poderia sentir algo mais do que o sexo.
Se eu tivesse a mim poderia deixar de ser...
Deixar de ser... Só mais um reflexo.

Espera Constante 2

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Esperando as flores abrirem
Perante a nova estação...
As trevas de um passado
Passaram rasante à razão.
Esperando a espera acabar
Ou a monetária cotação,
As emoções despencaram
Para a pura desvalorização.

Esperando criar raízes
Perante a terra tão confortável,
Fazer parte da pureza
Natural parece abominável.
Esperando o progresso
De achar caminho confiável,
As vias se fecham em folhas
Caídas da miragem palpável.

Esperando fechar os olhos para o passado,
Esperando ser algo melhor mesmo na lama.
Esperando ser mais do que adubo desidratado,
Esperando crescer mais do que a grama...
Esperando amar quem não mais ama...

Mais Um Café

Posted: 20 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

O coração pesado de tanta mentira,
A existência se tornou estéril e fria.
Tanta inveja, tanta vaidade e tanta ira,
Tantos bastardos de uma mesma cria.

A cabeça pende sem vontade,
De tanto peso a consciência,
Sempre pela metade...
Para quê existência?

Um café e só observo quantos desconhecidos...
Sozinho em companhia desses adormecidos.
Um café com esquisitos esquecidos.
Só um café...

Quem garante a sua integridade,
Perante tanta ganância cruel?
Não mais ideologia ou identidade...
Nos lábios o sabor de overdose de fel.

O corpo se curva apático,
Se defendendo do próprio ego.
Mais um lunático...
Simplesmente cego.

Um café e só quero o sabor tão aquecido...
Sozinho acompanhado de tantos vencidos.
Um café com viciados apodrecidos...
Só um café...

Espera Constante

Posted: 19 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

O caminho mais curto
Nem sempre é o melhor.
Nem toda morte é susto,
Nem todo custo é pior...
Mas a vida é sempre o que é...

Nem toda caminhada se anda
Os passos podem cessar.
Nem todo chefe é quem manda,
Nem toda caça quer caçar.
Mas a vida é sempre o que é...

Se afunda na inoperância
Esperando uma melhora.
Num sonho de infância...
Afunda no passado e no agora...
Afunda na demora da esperança...
O futuro foi-se embora...
Afunda na própria vingança!

Nem toda crença é surreal.
Toda imortalidade é fugaz.
Tudo o que é agora tem um final,
Nem toda guerra prima pela paz
Mas a vida é sempre o que é...
E ao fim tanto faz.

Nem toda paixão é de amor,
Mas todo amor tem paixão.
A vida poderia ser menos dor então...

Se afunda na inoperância
Esperando uma melhora.
Num sonho de infância...
Afunda no passado e no agora...
Afunda na demora da esperança...
O futuro foi-se embora...
Afunda na própria vingança!

O caminho mais justo
Nem sempre é o melhor.
Nem todo fogo é incombusto,
Nem todo custo é pior...
Mas a vida é sempre o que é... E sempre pode ficar pior...



Anula!

Posted: 17 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Todos são magos fabulosos em época de halloween,
Todos prometem poderes de corromper a realidade.
Cabe a você conceder ou não a mente com um sim,
Ou destruir seu conceito de mediocridade.
Cabe a você se anular e dar a eles o devido fim.

Nenhum milagre acontecerá por promessas,
Só é descartável a mentira eleitoral.
Será sua culpa dar poder a idéias tão regressas,
Será sua culpa dar poder incondicional...

Anula essa falsa democracia, anula!
Anula essa palhaçada! Anula! Anula!
Anula essa ditadura disfarçada!
Anula essa falsa democracia, anula!

É você quem está elegendo seus censores!
Cortando as próprias asas.
Você está pondo venenosos sugadores,
Dentro de nossas próprias casas.

Nenhum esgoto será menos fedorento...
A merda ali no rio é sua afinal!
É esse o sonho de progresso sangrento?
É sua culpa dar poder incondicional...

Anula essa mentira financeira!
Anula essa asneira desgraçada.
Anula esse fascismo maquiado.
Anula essa ditadura disfarçada!

Anula essa falsa democracia, anula!
Anula essa palhaçada! Anula! Anula!
Anula essa ditadura disfarçada!
Anula essa falsa democracia, anula!

Pensantes Seres Pensantes

Posted: 16 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: ,
0

Um rebanho imenso de animais de cérebros protuberantes finalmente descobriu sua finalidade na existência com o resto do universo: Pensar coletivamente! – Resultado: extinção da espécie “pensante”.

Lampejo

Posted: 15 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Aquele ápice de loucura me trouxe o silêncio
E por mais que eu tente, expressar é impossível.
Quanto real os sonhos podem ser ao acordar,
É a mesma quantidade do quanto se é sensível.

Aquele surto psicótico me trouxe o vislumbre
E por mais drogas use com intuito de anestesia,
A realidade dos loucos me parece mais palpável
A realidade que é feita em base de concreta fantasia.

Aquele momento me fez diferente.
A vida se transformou perante a visão.
Aquele momento me fez inocente.
A morte se tornou pra mim uma ilusão.
Aquele momento me fez DeMente! DeMente! DeMente!

Desde o começo na trilha da inexatidão,
Alguma natureza estranha remexeu a minha mente.
Um mergulho suicida na correnteza da razão...
A razão mexeu com minha mente.


Minhas Mãos

Posted: 14 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Mãos nas mãos de simpatia...
Uma lágrima se seca assim.
Uma noite de chuva e novo dia,
Ninguém te ajudará no fim.

Mãos nas mãos de falsidade,
Todos os olhares cruzados.
Em atmosfera de sagacidade,
A delicadeza dos mil tornados...

Se você está com frio,
Me dê sua mão...
Se você está sozinho,
Me dê sua mão...
Juntos podemos ter mais...
Entre as rosas e espinhos.

Mãos nas mãos em companhia,
As frustrações são passado.
As ascensões em sintonia,
Nada é mais puro ou sagrado.

Mas nãos mãos de amizade,
O resto é reciclado material.
Nunca, nunca é tarde...
Um abraço é sempre mais real.

Mãos nas mãos dadas,
Mãos nas mãos laçadas...
Por ruas e calçadas...
Estamos na mesma caminhada.

Se você está triste,
Me dê sua mão...
Se você quer um caminho,
Me dê sua mão...
Juntos podemos ter mais...
Entre as rosas e espinhos.

Minha mão está aqui por você.

Palmas Sem Eco

Posted: 13 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Um vento sopra no corredor vazio,
Sussurros clamam idéias incessantes...
O que você vai ser quando crescer?
O que quer ter realmente para se sentir interessante?

O medo de enfrentar as merdas do mundo...
Faz você tremer de si quando vê o espelho,
E numa busca cíclica nunca dá o primeiro passo...
Para o que seria além de uma imagem distorcida social.

Tanto querem que conseguem mudar nossas crianças,
Tanto fazem que destroem toda fantasia existente.
Tanto querem que conseguem distorcer as esperanças...
Tanto fazem, que terminamos fazendo o pior por eles...

Tragédia

Posted: 12 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Finalmente lhe adveio o trágico senso de vida...
Nada mais humano do que compreender,
O quão frágil se é perante o clamor do tempo.

Verão Sem Pele

Posted: 11 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

O verão descascou mais do que minha pele...
As lágrimas fizeram derreter a maquiagem sobre a máscara...
Os pássaros cantarolavam a incredulidade de uma cidade vazia...
A prisão se fez perante a dor dos dias ensolarados,
E por mais que uma companhia pareça calorosa,
A busca por uma nova pele só faz a solidão parecer inverno.

O verão descamou mais do que a pele dos nossos corpos...
Quando a chuva se foi, não restou muito de mim.
Se esconder por tanto tempo me fez perder o senso de direção
Para onde eu tinha que voltar quando a tormenta passasse?
Para onde eu tenho que ir agora que o verão se foi?
Para onde devo seguir para achar flores agora que o vento te levou?

O verão descamou mais do que minha pele.


Guerras Alheias

Posted: 10 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Por tanto tempo te narraram
Que os oponentes estão do outro lado,
Você só não sabe que outro lado é imaginário.

Por tanto tempo te apontaram,
Inimigos que não passam de iguais a você.
Você só não sabe por que eles são seus opositores.

Por tanto tempo te jogaram,
À fronte de uma batalha que você não entende,
Você só não sabe por que obedece incondicionalmente.

Por tanto tempo você defendeu,
Uma amada pátria que te matará ao menor deslize.
Você só não sabia que o sangue seria tão escorregadio...

Por tanto tempo te disseram,
Que você deve odiar o próximo como a si mesmo,
Você só não sabia que se odiava tanto... Você só não sabe...

Cemitério Das Moscas

Posted: 9 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Rugas na mente,
Apatia social.
Real DeMente!

Astronauta

Posted: 7 de set de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Desolado como em um púbere terreno,
A Terra guarda nas entranhas segredos espaciais...
Um vírus/espécie possui letal veneno,
Pois ao fim são todos meros mortais...
Cheios do mesmo vazio sentimento...
Todos só querem mais de mais e mais...

Vai para cima, cai para baixooo...
Gravidade, insanidade do espaçooo...
Explosão à vácuooo...

O Astronauta chegou a lua,
De um sonho monopolizado.
O astronauta desconhece a rua,
Onde está isolado... Ao lado a consciência está nua...
Ao lado, a consciência é sua!

Buscando limites para novas fronteiras,
Não conseguem transfixar as grades mentais.
Buscando para o além de sombras traiçoeiras,
Não sabem nem como a luz se faz.
Do prisma de mentiras verdadeiras,
Todos só querem mais de mais e mais...