Tempestade Do Inconsciente (Raiar Da Ascensão)

Posted: 29 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , , , , ,
0


Conduzida ao deslumbre por pensamentos considerados "anômalos" pela coletividade.
A incredulidade na loucura não consistiria em a perda absorta da razão,
Porém, entretanto, todavia, contudo, posto que nada mais que uma simples contradição de si!
A loucura abandonou o cargo de ser exclusivamente o avesso da razão ou sua substituta...
A razão se matou de uma dor de cabeça!

Já que a loucura pode não passar de um julgamento social,
As mentes deveriam estar fechadas à observação alheia...

Quando a noite chega, não há luz que tenha capacidade
De iluminar as trevas de uma mentalidade cativa.

Chegando tão perto assim, quem poderia considerar
Que um cigarro maior faria sua dor tomar um rumo mais simples.

Simplesmente as mentes são complicadas demais
Para se ter a certeza a respeito de qualquer coisa relacionada à mente.

Um dia, depois da dor, depois da onda, depois da tormenta,
Quem sabe possa procurar uma resposta
Para uma das duas perguntas:
“O que é razão?” Ou “O que é loucura?”
Quando achar, você estará certamente racionalmente louco...

Marcha Dos Indiferentes

Posted: by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Passo a passo, na alameda da vida,
Tantos buscam se saciar matando outros seres...
E terminam sedentos por algo mais essencial,
Do que tanta morte desmerecida.

Passo a passo em caminho dum eclipse,
O sentimento de solidão só aumenta
Com a proximidade do resto dos semelhantes.
E tudo toma a aparência de inexatidão.

Passo a passo o passado se torna apagado
Como passos no mar...
Oceano de águas passadas que podem passar,
Mas não deixam de ser sangue de tantos passos.

Era Dos Pára-Choques

Posted: 28 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
1

Estamos na idade da razão insensata
Validada e avaliada por diplomas de corrupção.
Estamos num tempo sem a noção exata,
Do que é não ter mais tempo para ter opinião.

Estamos na idade da inconsciência consentida,
Em troca de não ter trabalho de pensar.
Estamos num tempo de dor adquirida,
Pelo fato de engolir qualquer veneno pra descansar.

Estamos numa era sem entusiasmo e criatividade,
Onde a atividade mais coerente é esperar...
Que tudo possa acabar com o raiar da mortalidade.

Manhã Depois Da Escuridão (Faça A Sua Você Mesmo)

Posted: 27 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Você preferiu ficar parado olhando o firmamento
Enquanto a tempestade chegava em nuvens carregadas ...
Eu mesmo fiz meu abrigo mesmo em isolamento.
Por mais que você dissesse que as portas seriam levadas,
Adiantou mais as janelas lavadas do que o omisso consentimento.

Tentar não é mais importante do que conseguir uma proeza.
Não importa o que digam como ajuda para seu ego conformista
Não importa quem diga que é inútil ir contra correnteza.
Mas o importante é fazer. Pelo menos é de minha natureza...
E de preferência com as próprias mãos... Isso é ser anarquista!

O Longínquo Passado Da Caça

Posted: 26 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Havia mais de minhas idéias por baixo de tuas garras,
Do que em toda minha carcaça.
Você me libertou de amarras...

Sonial 2

Posted: 25 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , , , ,
0


Sonhos interrompidos, ao raiar da aurora,
E tudo se configura em mais uma ação humana.
Sonhos que dizem mais sobre o próprio ego,
Do que um divã almejaria saber sobre a idéia insana.

Sonhos que são mais do que previsões editoriais,
Tanto mais sobre uma vida além do físico sem espírito.
Sonhos que são tão vividos, e tão pouco sentidos,
Sem tanto sentido como se tem a idéia que a vida deve ser.

Sonhos da vida, sonhos de morte, sonhos de beleza.
Sonhos com o apocalipse de pura limpeza.
Sonhos sobre o extermínio do que não é natureza.
Sonhos de certeza.

Dizeres Solitários

Posted: 24 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0


Você disse que estaria lá por mim quando a loucura batesse a porta...
Mas já era insensatez acreditar que alguém cumpre a palavra cruzada.
Você disse que me amaria para todo o sempre, e isso não durou mais que sua vida,
Já é tarde demais para achar que o ponteiro aponta a direção do passado.

Você disse que enquanto nos amássemos tudo estaria em plena perfeição,
Só nos iludimos crendo que há perfeição em algo entre humanos.
Você disse coisas demais para depois simplesmente calar eternamente,
Já é tarde demais para tentar achar o Alguém que diga tanto quanto você!
Você disse: Eu te amo, eu disse: Eu também!
Por isso estou sozinho. Por isso ainda te amo.

Ter Asas Numa Prisão...

Posted: 23 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Todos procuraram a tal liberdade.
E ela estava logo ali ao horizonte,
Da mente, o limite da realidade.

Ecos Negados... Ecos...2

Posted: 22 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Dê-me só mais uma verdade,
É tudo que careço,
Para não mais ponderar qualquer simpatia!

Diga o que sente,
Sei que será idêntico a todo o resto
De fascismo, opressão e alienação.

Dê-me só mais uma verdade
E a vontade de reagir com apatia
Torna-se mais incontrolável.

Apagar mais uma idéia
É tão simples quanto apertar um botão.
Me de um pouco mais do teu real reflexo
E saberei que nada reflete em nosso espelho... Vazio!
Ecos refletem ecos...

Parâmetros Da Percepção

Posted: 21 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , , ,
0

Ah se você acreditasse na essência da vida...
Sobre qual todos os seres da terra cantam em uníssono.
Ah se você não tivesse vergonha de dançar...
Convidaria-te para comigo sangrar os pés em êxtase!

Ah se você pudesse ver além do véu de fumaça,
Tantas belas paisagens além dos carros, casas, jóias...
Ah se você pudesse tocar uma vida com vida além da sua própria.
Convidar-te-ia a ser mais do que reprodução de morte.

Ah se você acreditasse em algo mais do que dizem na televisão,
Talvez pudesse ver a beleza que é o caos simplesmente tão organizado.
Ah se você pudesse ser você completamente,
Saberia o que passa em minha mente.
Convidar-te-ia a ser um companheiro DeMente.

Pecaminoso Consentimento

Posted: 20 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0


Em mãos tão limpas quanto o pântano do esquecimento,
A imaginação do tormento fez da tortura a melhor brincadeira.
E em uma cadeira de espinhos, eternizou o momento...
Sem intenção a dor alheia se transformou em boa maneira.
Sem mais sentido ou sentimento de culpa pela concupiscência da macieira.

Intervenção Sentimental

Posted: 19 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0


Dia algum ou noite ensolarada,
Tu poderias mencionar
Não ter participado das núpcias de mel.
Mas não atualmente.
Tudo está ainda marcado em tua pele,
Assim como na minha boca arde o fel.

Ano algum pode olvidar
Por desculpa do Alzheimer e da idade,
Mas hoje largamos ao céu!

Tempo algum pode fazer
Aplacar a declaração
De estar unido para tudo
Até dormir ao léu.

Véu algum vai separar
A vida que foi e a vida que é.

Calor Próprio

Posted: 18 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Os olhares sem corpos nem contemplações,
De impulsos sem vontades e imbricações,
Configuram-se nas idealizações mais concretas
De uma multidão tão apática quanto a fumaça do existir.
E quando se tem a certeza
Que não há mais recuperação
Da beleza de se estar vivo,
A coincidência faz a loucura arrebatar
O que outrora seria milagre.

E a pureza de um pensamento próprio
Torna-se uma afronta a estagnação do resto.
Acordar exige mais
Do que simplesmente viver
E viver exige mais do que crer!
Ser exige mais
Do que se deixar ser.

Canção Do Alienígena

Posted: 17 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Quando tivermos a simples capacidade
De reestruturar os conceitos da realidade,
Acerca de gênero, espécie e consciência.
Poderemos ver as criaturas em liberdade
Como a nós mesmos sem coincidência.

Quando o egoísmo de crer na relevância,
E que seu prazer não tem mais importância,
Que a dor alheia, poderá observar e sentir;
Que o próximo é tão dotado de substância
Quanto o reflexo que você mesmo tem de si.

Sem dor, sem castigos, sem fascismo.
Em amor, abrigos, amigos de anarquismo.
Não mais o horror do especismo.
Não mais egoísmo!

Quando todos entenderem que o caos é uma idéia, não o fim do abismo!

Mãos Sujas Patrocinadoras 2

Posted: 16 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Eu não solvo sequer uma gota da tua cerveja que faz publicidade,
Usando vaginas, seios e nádegas como encanto para sinecura!
Constituirá isso meu ignóbil preconceito?
Será que me é carência de teórica leitura?

Quiçá eu não seja uma sexual máquina machista simplesmente...

Repúdio À Lactorturadores

Posted: 15 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Nenhuma justiça é necessária perante as tragédias de ser humano.
Nenhuma necessidade é justificável a tantos crimes especistas!
Nenhuma dor pode ser comparada a dor de quem sente,
Nenhum sentido pode ser compensado pelo sofrimento de ser aprisionado.

Enquanto tantos se deliciam, como podemos sentir tanta dor?
Enquanto vemos tanta devastação, como podemos sentir tanta apatia?
E,
Enquanto você come um pedaço de queijo,
Eu vejo prisão, escravidão, dor e sofrimento...
Enquanto você chora por uma mãe perder um filho,
Penso em tantos filhos desgarrados a força pra seu queijo existir!
Eu vejo, e só desejo que o mesmo pudesse ocorrer a você!
Eu desejo toda dor e pestilência a você zoonazista miserável!

Quem O Sol Adora

Posted: 14 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Abracei o Sol até o crepúsculo da demência.
E nada aconteceu perante a aurora.
Só derreteu-se em decadência.

Anulação Das Essências

Posted: 13 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Aos montes, ao redor...
Antenas sem freqüências.

As fontes de informações
Deturpadas pela ganância.

Aos montes, em qualquer lugar
Sem coincidências,

Entre pontes levadiças
De rios sem relevância.

Esquecimento da infância
Nas telas de Dormentes e Vazias Demências.

Outro Dia, Outra Morte

Posted: 12 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0

Encalçando esse caminho de vaidade e corrupção,
O humano consegue arquitetar sua própria extinção.
E cada vez mais adeptos da lamúria e do desengano,
Juntam-se nessa caminhada que tem como fim o humano.

Entre os dedos, o progresso dilui em areia decadente,
Entre idealizações de pecado e culpa do que é inocente.
E cada vez mais unidos em apatia infinita rumo ao fim,
Atrelados na causa mais decente entre os vírus no jardim.

Aos pés da discórdia, quem não pertence a tal horda,
Cai em putrefação de liberdade repudiada com desdém.
Pelo mal ou pelo bem, o que vai e vem faz parte só de uma grande roda.

De Pés Descalços

Posted: 9 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
1


Eu aprendi com as brumas em minha face,
Que as estações têm sempre o que dizer em suas lágrimas de folhas amareladas,
E com seu orvalho a cada manhã.

Eu aprendi com a terra que as raízes têm sempre algo a retumbar
Com as pulsações do magma e com as ondas do mar
Anunciando as palavras das correntes marinhas.

Eu aprendi que o mais importante é viver e sentir a vida.
Eu aprendi que a vida é mais importante do que a morte.
Eu aprendi que a morte é necessária para se estar vivo.

Eu aprendi que cada dia pode e deve ser o ultimo do meu tempo.
Eu aprendi que o tempo é uma ilusão a ser desmascarada.
Eu aprendi que sei mais do que me é necessário, do que necessário aos outros.
Eu aprendi que sei me ser mais do que alguém pode ditar como devo ser.

A Relevância Das Ciências Alheias (À Todos Que Se Sentem Detentores De Conhecimentos Primordiais)

Posted: 8 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Se você pensa que todo conhecimento é válido,
É porque provavelmente desconhece
A mínima capacidade de memória que nós humanos temos.

Se você pensa que seu conhecimento me é válido,
É porque provavelmente não me conhece suficientemente
Para saber que o que quero saber, eu busco!

Eu prefiro não matar meus neurônios com assuntos irrelevantes.
Eu prefiro não gastar meus pensamentos pensando em seus conhecimentos.
Eu prefiro matar meus neurônios com goles de prazer e filosofia etílica,
Do que ser uma máquina processadora de informação alheia.

Quantos Pontos Em Acadêmicos Você Têm Em Sua Ficha?

Posted: 7 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0

Quantos opúsculos você vai precisar ler,
Para ter uma inspiração própria?
Quanto do resto você vai ter que conhecer
Para não passar de simples cópia, cópia da cópia?

Quem sabe depois de alguns anos em recintos,
Quem sabe revisitando bibliotecas tortas,
Quem sabe baixando cabeça a um mentor,
Quem sabe usando palavras de mentes mortas...

Quantos artigos publicados em revistas
Que ninguém certamente nunca vai ler?
Quanto de seu interesse realmente,
Pertence a sua vida e sua prática de ser?

Você pode pensar alguma coisa por si?
Quem sabe depois de receber o canudo...
Você pode encontrar algo de real em si?
Quem sabe depois de se anular de tudo!
Quem sabe o seu futuro seja mesmo não pertencer ao real mundo.

Escolha! Agora!

Posted: 6 de jul de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Agora quem aqui entre nós
Ainda acredita
Em escolhas?

Você simplesmente vai seguir
O caminho
Que advertirem
Como sendo
O mais seguro.

O medo vai sempre
Guiar sua vivência.
Eu não posso
Culpar...

Afinal,
Essa culpa você já sente.

Eu prefiro
A sobrevivência...
Você
A subserviência!

Agora quem aqui entre nós
Ainda acredita
Em escolhas?