Grades No Deserto Da Liberdade

Posted: 29 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


A prisão de que tantos rezingam está além das grades materializadas,
E não há quem possa resgatar rebelar ou alforriar mentes aprisionadas.
A prisão está atrás de lágrimas e risadas, de emoções e sentimentos,
E quem é considerado livre tenta apresar comportamentos.
Conceitos de carceragem do auto-encarceramento na vida em sociedade
Condicionamento do sonho e do pensar para uma pálida realidade.

Libertários que se prendem em utópicas revoluções.
Liberdades que não entendem as próprias limitações.
Limitações que são feitas sem considerar que o maior sonho pode se realizar.
Ser livre é realizar as sagradas paixões!
Ser livre é ceder às impulsivas tentações.

Auto-Substituição

Posted: 28 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
1


Você vem se matando
Sem saber qual acepção
De se estar vivo,

Convertendo a carcaça
E a reflexão
Em gaiola irracional.

Seguindo tudo o que expõem
Sem sobrestar
Para distinguir o que sente,

E não mais sabe quando
Deixou de se sentir real.
Quando deixou de se sentir... Real?

Mente Desmontada

Posted: 27 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Empilhadeiras não montam verdade.
Cores reluzem a incerteza da realidade.
Olhos que não falam...
Olhos de insanidade.
Olhos que não falam...
Olhos de insanidade.

Eu perdi minha mente em algum lugar
Entre a incerteza e a lucidez.
Eu afoguei minha cabeça em vinho vulgar,
Para amargar tudo que o ego fez.

Eu quis dançar ao redor da fogueira
Queimando neurônios de razão.
Apaguei a memória mais verdadeira,
Para não acender a vela da tentação.

Empilhadeiras não montam verdade.
Cores reluzem a incerteza da realidade.
Olhos que não falam...
Olhos de insanidade.
Olhos que não falam...
Olhos de insanidade.

Eu caminhei sem sair do chão,
Entre nuvens de doce algodão e suor.
Eu sangrei em lágrimas de emoção,
Mas ao fim como todos loucos, estou só.
(Mas ao fim como todos loucos, estou só.)

Meu caminho, minha existência...
Meu mundo, minha iminência...
Minha demência... Minha essência...
Minha essência... Minha demência!

Ecos Negados... Ecos...

Posted: 26 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Ecos repetem ecos...
Por mais que tentemos encontrar o início.
Ecos repetem ecos...
Por mais que resistamos ao sabor do vício.
Ecos... Repetem... Ecos...
Ecos... Repetem... Ecos...

Do que adiantou tanto adiar a dor...
Se ao fim já estava querendo ceder.
Tanto tentou ao desejar em ardor...
Que assim que pode testou o poder.

Do que adiantou se dizer antimanicomial,
Se ao fim foi preso no próprio hospício.
Tanto consumiu fumaça irracional,
Que de coeso passou a ser fictício.

De que adiantou se negar a viver,
Se ao fim, o fim chegou sem avisar...
De que adiantou se negar a viver,
De que adiantou sonhar sem realizar?

Ecos repetem ecos...
Por mais que tentemos encontrar o início.
Ecos repetem ecos...
Por mais que resistamos ao sabor do vício.
Ecos... Repetem... Ecos...
Ecos... Repetem... Ecos...

Intervenção

Posted: 25 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: ,
0


O violino ateu caiu,
Na grama macia.
Alma perdida.

Árvore Estéril

Posted: 24 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Eu não vou ser o que você sonhou como perfeito,
Não quero um carro na garagem ou uma casa quilométrica.
Eu não vou ser médico ou advogado de direito,
Não quero uma família perfeita nem seguir sua métrica.

Eu não vou ser seu porque me carregou 9 meses
Não quero repetir se vejo que vai contra meu conceito.
Eu não vou ser igual meu pai ou qualquer um desses,
Não quero reunião fraternal com ódio em meu peito.

Eu não vou ser o que você aprendeu como indutor,
Não quero acordar e saber de sou marionete.
Eu não vou ser o produto de investimento reprodutor,
Não quero essa droga que sempre se repete... Repete!

A árvore genealógica perdeu a lógica afinal,
As raízes estão expostas às tormentas sociais...
A árvore genealógica não tem nada de genial,
Não mais frutos, não mais flores carniçais...
Não, não mais...

Espelho, Espelho Meu...

Posted: 23 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Minha pele poderia ser de vidro,
Ainda assim refletiria imperfeições.
Meu corpo poderia ser de cristo,
Ainda assim defecaria refeições...

Espelho, espelho meu:
Diga se há alguém mais... Como eu.

Andei por caminhos indefinidos,
Buscando um reflexo de sanidade.
Amantes incógnitos e desconhecidos,
Buscando uma imagem de sobriedade.
Andei por alamedas da realidade.
Cai no juízo dos adormecidos...

Minha pele poderia ser diamante,
Ainda assim valeria como humano.
Meu corpo poderia ter amante,
Ainda assim a mente seria de insano,

Espelho, espelho meu:
Diga se há alguém mais... Como eu.

Minha pele poderia ser de vento,
Ainda assim estaria preso a mim.
Meu corpo poderia ter sentimento,
Mas minha mente não sente bem assim...
Só reflexo não é tão importante ao fim...

Espelho, espelho meu:
Diga se há alguém mais... Como eu.

Andei por caminhos indefinidos,
Buscando um reflexo de sanidade.
Amantes incógnitos e desconhecidos,
Buscando uma imagem de sobriedade.
Andei por alamedas da realidade.
Cai no juízo dos adormecidos...

Espelho, espelho meu:
Diga se há alguém mais... Como eu.
Espelho, espelho meu:
Diga se há alguém mais... Que eu.

Mea Culpa

Posted: 22 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
1

Oh me desculpa se eu seduzi seus pecados,
Eu não tenho culpa de não ser inocente.
Oh me desculpa se eu conduzi tantos tarados,
Eu não sabia que padre podia ser indecente...

Oh deus, me perdoe
Se não acredito em historinha,
A inocência das fadas reluzentes,
Não mais é minha...

Oh deus me perdoe...
Se não creio em crença ou fé,
Mas tenho mais o que fazer,
Do que crer no que não é.

Oh deus, me perdoe...
Mas o único milagre que conheço
É a natureza que me faz,
A ela sou semelhante e reconheço.

Oh me desculpa se eu seduzi seus pecados,
Eu não tenho culpa de sempre estar em cio...
Oh me desculpa se eu conduzi tantos tarados,
Eu não sabia que padre podia ser vil...

Oh deus me perdoe
Por não precisar de seu real perdão,
Afinal amanhã a mim pertence.
Queira você sim ou não!

Oh deus, me perdoe se eu sou você.
Afinal não é fácil se perdoar por se ser.
Oh deus, me amo mais do que você.
Afinal eu sou tão seu quanto meu... Meu deus.

Tome De Volta A Paz!

Posted: 21 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Queremos paz na mente,
Queremos ser felizes.
Eu sinto e você sente,
Todos ligados a raízes.

Queremos paz do ego,
A morte é só sigilo.
Olhar além do que é cego,
Destruir qualquer asilo.

Quando você tomar sua vida de volta,
Terá dado a volta por cima do abismo.
Quando você tomar sua vida de volta,
Terá se libertado do fútil consumismo.
Quando você tomar sua vida de volta,
Terá mostrado um pouco de ativismo.
Quando você tomar sua vida de volta...

Queremos paz na terra,
Sem mais ódio ou dor.
Óleo é sinônimo de guerra,
Mas ainda há quem queira amor...

Ainda há quem queira amor...
Ainda há quem queira guerra...
Ainda há quem queira dor...
Mas nós queremos paz...
Nós queremos amor!

Pranto Literal

Posted: 20 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


O livro abriu página em branco,
A chuva molhou,
O verso.

Um Pouco Mais De Pouco

Posted: 19 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


As boas vibrações
Não estavam nos vibradores
De lábios suturados,
E os quadros sem moldura,
Sempre serão portadores
De doenças artísticas.

Mais dor, insônia e estresse?
Mais dinheiro por trabalho?
Menos prazer menos tempo de viver.

As boas vibrações
Passaram pelos corpos
Trêmulos e insaciáveis,
Nenhuma escolha de companhia
Para dividir o chá das cinco
Ou o chá alucinógeno.

Mais dor, insônia e estresse?
Mais dinheiro por trabalho?
Menos prazer menos tempo de viver.

E de tão homogêneo,
Nenhum novo gênio
Disse que a vida seria tão difícil.
Por isso é considerado um desperdício...
Dormir sem sono,
Mesmo que seja melhor sonhar
Do que estar no pesadelo cotidiano
Dessa torpe existência real.

Custos Consumíveis

Posted: 18 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Emancipar as emanações de emoções,
Mesmo que para isso neguemos a consciência.
Numa era de coletivas solidões,
A intimidade que queremos é o que dá mais audiência.

Intensificar a vulnerabilidade mental,
Afinal não há revolução sem sangue torrencial.
Para se ter progresso, o regresso é fundamental,
Por mais que neguem, o paradoxo é natural.

Quanto você acha que custa uma vida?
Quanto custa a vida que não é a sua?
Quem é dono de sua própria existência?
Que existência deve acabar pela tua?
Quanto você acha que custa a vida? A vida sua!

Justificar os pecados sem juízo imparcial.
Afinal não seria justo só matar.
O prazer está acima da lei do que é racional,
A lei da empatia existe para se ignorar!

Quanto você acha que custa uma vida?
Quanto custa a vida que não é a sua?
Quem é dono de sua própria existência?
Que existência deve acabar pela tua?
Quanto você acha que custa a vida? A vida sua!

Praticamente Inofensiva

Posted: 17 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


A partir do dia que a corda se partir,
Terá partido além de pátria,
Sem área párea a residir.

Lugar Inóspito

Posted: 16 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Existem mais pessoas do que o mundo suporta,
A vida pertence a cada ser que o habita.
Existem mais pessoas que não se importam,
Mas depende de você fazer mais do que acredita.

Existem mais pessoas do que você desejaria.
O mundo é mais vasto do que você imagina,
Mais pessoas se desejam do que você queria.
O mundo é menor do que a televisão ensina.

Existem mais pessoas que odeiam o próximo,
Do que se amam como irmãos.
Existem mais pessoas que se matariam
Com as próprias mãos...

A Escolha

Posted: 15 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Eu poderia ter esperado uma resposta,
Mas estaria me enganando por você...
Eu poderia ter feito tudo como você gosta,
Mas estaria deixando de ser eu mesmo...

Eu poderia esperar passar seu mísero vício,
Mas estaria esperando um zumbi sombrio.
Eu poderia ter caído no mesmo precipício,
Mas estaria transformando o amor em vazio.
Eu poderia ter só o resquício do sol, mas preferi sentir frio...

Os Parentescos

Posted: 14 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Não importa o que digam,
Dor é dor em qualquer lugar e momento.
Não importa o que sigam,
Liberdade é liberdade em qualquer sentimento.

Mais um filho? Mais uma vida para se tomar como posse...
O sangue no chão, moscas no corpo de sua estimada cria.
Mais um filho? O crack torna a mais amarga vida em doce.
E sua vida que tanto amava outra vida nada fez do que queria...
Queria ter dado melhores conselhos para que melhor fosse,
E quando o amor vira ódio ainda há conexão, chore ou ria...
O contrario do amor é a indiferença ou você não sabia?

Não importa como pensam,
A razão é diferente pra qualquer julgamento.
Não importa como vençam...
A vida não é um jogo para se apostar o pensamento.

Mais uma família? E mais um número na estatística do capital,
O consumo de infelicidade em busca de satisfação.
Mais uma família? Para ter tudo o que não precisa afinal,
Prendendo em sangue e sêmen parentes de ficção.
E quando o amor vira ódio, chore ou ria em pleno funeral...
O contrario do amor é a indiferença, em Finados ou no Natal.

Não importa o que digam,
Dor é dor em qualquer lugar e momento.
Não importa o que sigam,
Liberdade é liberdade em qualquer sentimento.

Não importa como pensam,
A razão é diferente pra qualquer julgamento.
Não importa como vençam...
A vida não é um jogo para se apostar o pensamento.

A Venda Das Memórias Do Eu

Posted: 13 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Eu tinha certeza
Que estava certo
Do que estava dizendo,
Agora eu simplesmente
Não lembro o que era verdade.

O mundo tem feito de mim um excluído,
Quando só eu entendo meus problemas.
O mundo tem julgado como apodrecido,
O que tenho como sagrados meus lemas.
O mundo tem induzido os seus sujos esquemas...

E nos sonhos eu me reconheço,
Pois sei que em sonhos sou real.
Posso compartilhar meu apreço,
Sem ter que fingir ser psicossocial...

O que era já não mais é meu,
O que era já não é mais seu.
Ou você esqueceu que sua mente você vendeu?
Eu te vendi, você me vendeu.
Eu me vendi, você se vendeu.

De tanto usar máscaras sociais,
Esqueci de como era ao reflexo.
Por desejar ocorrências letais...
Eliminei o que restava de nexo.

Tanto segui o que dizia a televisão,
Que fiquei cego as minhas vontades.
Consumindo mentiras sem concisão,
Consegui destruir minhas prioridades.

O mundo tem feito de mim um excluído,
Quando só eu entendo meus problemas.
O mundo tem julgado como apodrecido,
O que tenho como sagrados meus lemas.
O mundo tem induzido os seus sujos esquemas...

O que era já não mais é meu,
O que era já não é mais seu.
Ou você esqueceu que sua mente você vendeu?
Eu te vendi, você me vendeu.
Eu me vendi, você se vendeu.

De ti eu esqueci... De mim você se esqueceu...

Declaração DeMente (Amantes)

Posted: 12 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Andaremos por oceanos...
Nadaremos nas nuvens...
Voaremos pelos campos verdejantes,
Seremos mais do que insanos
Amantes...

Todas as palavras perdidas,
Em momentos interrompidos.
As verdades invertidas,
De preservação dos corrompidos.

O limite é a imaginação,
Para ser e estar onde deseja.
Na estática de uma ação,
O lábio que costura ao tempo que beija,
Na profundeza da emoção,
Quero que você simplesmente seja!

Andaremos por oceanos... (Oceanos de dor)
Nadaremos nas nuvens... (Nuvens de amor)
Voaremos pelos campos verdejantes,
Seremos mais do que insanos (Oohh)
Amantes...

De fé a alma não precisa
A ajuda vem do que não existe.
Se a dor é o que não se ojeriza,
A conquista de ser não persiste.

Mudanças Em Algum Lugar

Posted: 11 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , , ,
0


Em algum lugar mais uma árvore caiu,
Um lar de milhares de vidas se extinguiu,
E você vem me falar de cultura sustentável,
Quando só você se sustenta com óleo inflamável.

Em algum lugar uma mancha se espalha,
No mar vidas se engasgam e tóxica mortalha,
E você vem me falar para economizar a goteira,
Quando só você comete atrocidade verdadeira.

Em algum lugar a geleira descongela,
Cada vez é mais difícil andar por sobre ela.
E você vem me dizer para pintar meu teto,
Quando seu carro derrete até o gelo mais concreto.

Em algum lugar alguém tenta mudar,
Mesmo que seja a menor das atitudes.
Em algum lugar, alguém consegue não matar.
A maior de todas as virtudes.
Em algum lugar alguém tenta se mudar.
Mudar...

Chega de falsas promessas,
É tarde pra tantas conversações.
Chega de falsas promessas,
Faça você suas próprias mudanças e ações!

O Acidente

Posted: 10 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0

Não foi nada mais nada menos,
Se não sabia nadar, não deveria nadar...
E de nada se encheu ao mergulhar no nada.
Não foi nada mais nada menos que acidente...

Um caso simples de abandono da gravidade,
E por um instante tantas coisas passaram na cabeça,
Inclusive o pára-choque que devastou a humanidade,
E daquele instante não haverá quem se esqueça...
Um caso simples de casualidade...
Causado pelo caos
Da realidade...

O inevitável se evitou,
Tendo a evidencia que era só nada fazer,
E nada se realizaria para evitar o vital,
Não foi nada mais nada menos que acidente...

Nós fazemos a causa,
Nós destruímos lares.
Nós causamos dor,
Nós destruímos todos os lugares.
O acidente da realidade, criar tal vírus devastador...

O Presente

Posted: 9 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , ,
0


Temos então o presente intransferível,
E não há o que argumentar depois.
A vida se encaixou na caixa invisível,
E os laços se abraçaram a nós dois.

Temos então o presente traumático,
Como não esperar a dor concentrada.
Dentre os sussurros de um lunático,
Ainda há verdade a ser considerada.

Tantos jogam esse presente pretendendo um futuro,
Tantos andam em linhas imaginárias no escuro...

Não, não conseguimos negar o que é nosso,
Está em nosso sangue e veias de verdade!
Não, não podemos vender o que é nosso,
Está além de compreensão de insanidade...
Não, você não pode e eu também não posso.
O nosso presente de liberdade...
O nosso presente de liberdade...

Temos então o presente criminal,
E por mais que tentem ainda somos culpados.
Eles vêem como sendo tudo imoral,
E nós dizemos que para nós não cabem os pecados.

Tantos desperdiçaram o presente com promessas do além,
Tantos ainda acreditam em conceitos de mal e bem...

Chave Do Anseio Concebido

Posted: 8 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: ,
0


Cicatrizando
As dores
Sentimentais.

Ferimentos
Sem coágulos,
Amantes
Mentais.

As Chaves

Posted: 7 de abr de 2010 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
0


Andando por pedras cortantes,
A dor não seria tão intensa
Se não estivesse descalço.

Beijando tantos amantes,
A vida seria menos tensa,
Se tudo fosse peça do colapso.

Chaves que abririam
As portas da percepção,
Olhos que veriam
Além da real acepção...
Tato que sentiria total
Composição...
Ouvidos que ouviriam
Toda canção... Toda canção... Toda canção...

As portas mais distantes,
Lacradas pela descrença.
Hão de lacradas ficarem pelo acaso.
Pois de nada vale crer sem ser falso.

Pois de nada vale crer se não for falso.