Medos Humanos

Posted: 31 de jul de 2009 by Lux Alt in
0

O que é esse sentimento, que é também um desencadeador de tantas outras coisas, tantas outras emoções e expressões? Se em tudo sentimos medo. O medo de ser real, de atravessar a rua, de ficar, de ir... De se pensar sozinho, de ficar sozinho, do escuro, da luz, do sol, da noite. De se molhar, de realizar desejos. O medo dos olhares, dos sentidos. O medo de corpos e do próprio corpo. O medo de se estar errado. De tocar, de toques, de beijar, de deitar, de sentir, de falar, de testar, de pensar. O medo de viver...

Por mais que tentemos não há possibilidade de desvencilhar-se desse fator natural. É uma forma estranha e incomoda de se viver... Na ânsia de ser violentado... Como se esperar o pior do semelhante fosse comportamento natural... Mas quando a naturalidade se torna um tormento, a civilidade é descartada. Sem mais delongas... A vida é mais um objeto depreciado e desprezado... E por mais que tentemos, o caminho será sempre o mesmo... A desconfiança.

É um instinto correspondente, tornar-se sensível as cogitações dos sentidos. E tias sentidos têm sido deformados pelos (pré)conceitos sociais. Todos estão na linha de risco... A vida aqui é assim! Você não sabia? Você pode ser a vítima ou o culpado do crime de se ter medo de viver ao lado... E esses preconceitos criam os temores urbanos: Pois em urbes, todo negro é suspeitável; toda mulher é estuprável; Todo andrógino é descriminável; todo homem é roubável e todo fraco é escravizavél.

A ofensiva pode vir sorrateiramente! E por onde andamos o receio pode se concretizar em fato, por qualquer um... E mesmo havendo uma peste humana, o frio populacional só aumenta! A apatia é primeira expressão de nossa harmoniosa convivência! O que almejamos é uma paz armada pelo medo da própria passividade.

Você viu o que aconteceu naquele país ontem? Quanta matança em troca de nada... Afinal, o que seria capaz de justificar alguma matança? O que há realmente de povo, união, ou divisão deles nesta porcaria de mundo socialmente deteriorado? Qual guerra se acaba bem? Quem ganha com a paz? Quem está realmente errado em tentar findar seus problemas? Você viu o que aconteceu aqui hoje? Estão todos com fome e frio, mas elegeram isso! A culpa é sua! Não adianta tentar por a culpa em quem está em “cima”. Você faz parte dessa organização.

Porque as pessoas estão se destruindo em nome de fantasias se teimam ter a realidade como a única validade da existência? Você viu a justificativa por qual aquele homem matou sua companheira amada? Mas quem disse que não se mata por amor? As pessoas prendem as outras por medo de perdê-las. São todos apegados a uma fábula de impossibilidade eventual de um paraíso tão imaginário quanto a idéia de uma sobrevivência harmoniosa...

Querem fazer armas capazes de destruir o mundo para ter a certeza de uma eventual defesa de uma eventual guerra anunciada. Aliás, não querem. Já as tem. Toda esta sujeira em nossa existência é nada mais do que o resultado da consciência de fazer parte desta merda infecciosa inconfessável...

Você acha que chegou a sentir felicidade em algum momento de sua vida sabendo que o mundo é um lugar tão ruim? Uma manufatura solitária de egos desenhados em base de mídia que faz do medo o único instinto da sobrevivência humana.

Você possivelmente ache que sou um medroso por desistir da humanidade assim... Mas o que fazer se sempre haverá justificativa do medo, já que pessoas com medo massacram por defesa para não sentir medo.

O que fazer ao medo de ser parte disso? O que fazer para não sentir medo de ser simplesmente humano demais? Em tempos tão inumanos...

E você,
Tem medo de que?












Texto montado originalmente a pedido do amigo Elvis “Wolvie” para primeira edição de Na Toca Do Lobo. http://elviswolvie.blogspot.com/

Pedaços Alheios

Posted: 30 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Somos o que produzimos,
E de porção em pedaço vamos deixando de existir,
Por absorver tanto de outros.

Somos o que consumimos,
E de dispêndio em consumo. A realidade vai arruinando
E fazendo sumir o que você achava que era você.

Somos o que queremos ser!
E certamente podemos deixar de carcomer outros.

O Pecado Não Mora No Deserto

Posted: 28 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Longe de tudo e de todos, sentindo o pensamento a esmo...
Ele se sentia completamente livre, de corpo aberto...
Realizando-se sem culpa de ser ele mesmo.

E lhe ocorreu que o deserto não era físico, entretanto social concreto.

Faltas Ou Festas?

Posted: 27 de jul de 2009 by Lux Alt in
0

Acabou ilustríssimo carnaval,
E nada mais sobrou
Do que lixo... Cultural.

Acabou a colorida parada do Orgulho,
E nada mais sobrou,
Do que lantejoulas em entulho.

Acabaram-se livros na escola,
E nada mais sobrou,
Do que fome, violência e esmola.


Qual falta mais te consola?

Deixando 1 Vício

Posted: 26 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Estava tentando parar de fumar e pôs na cabeça que só fumaria quando bebesse. Resultado: tornou-se alcoólatra. E não mais viu precisão dos antes tão necessários cigarros mentolados. Pelo menos agora se sentia menos mal por não mais estar fazendo testes em animais. Próximo passo: produzir a própria bebida!

Idéias Fluorescentes

Posted: 25 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Enquanto prender as idéias
Em luzes medidas,
Ainda estará apagado.

Cinismo Sádico Ou Semelhança

Posted: 24 de jul de 2009 by Lux Alt in
0

Uma família inteira fora chacinada com violento e cruel requinte. E uma multidão fora conferir o que os noticiários haviam anunciado. E todos ficaram muito chateados, pois não deixaram o caixão da criança que tinha dois anos aberto. Exatamente o que todos mais queriam ver... Depois de muita insistência deixaram por alguns minutos abrirem. E muitos viram que não tinha tanta diferença dos bracinhos decepados em comparação as patas dos porquinhos que sempre estavam expostos aos pedaços no açougue da esquina.

Cultura E Imaginação

Posted: 23 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Além do espelho estamos falando do coração da loucura,
Onde surgem os mais profundos desejos de iluminação,
E onde as trevas do juízo tomam concreta estrutura.

Para O Dia Do Orgasmo

Posted: 22 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Acabara de passar da meia-noite. E para comemorar o dia mundial do orgasmo, os quatro no quarto se destinaram a dar presentes uns aos outros. Um tipo de amigo secreto. Que de segredo só houve a contenção dos gemidos mais altos, pois a mãe de um deles não precisava saber de tal comemoração.

Contamine O Mundo Com As Palavras!

Posted: 21 de jul de 2009 by Lux Alt in
0

Que nenhuma informação seja privada. Assim, que o conhecimento de tudo venha a todos! E que nada do que é conhecimento seja destruído. Podemos ver, ler, fazer nosso julgamento, mas não precisamos apagar nada... Só quem não precisa saber que sabemos de algo é quem tenta nos aprisionar na ignorância. Nunca pare de tentar aprender, pois quem quer que nós sejamos escravos da estupidez não para de apreender informações. E com o autoquestionamento é que podemos desconfiar de tudo que pode ter sido tocado pelo Estado. Que o que você conhece seja passado adiante. Seja um multiplicador da liberdade de pensar e agir. Seja a liberdade das palavras!


Inspirado em Os Mandamentos do Bom-Hacker

Sentimentos Televisivos

Posted: 20 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Dona Socorro vivia prostrada ante a televisão, acompanhando tudo. Desde os programas de culinária carniceiros, novelas deturpadoras de cultura a jornais de informações tendenciosas... E saber que uma guerra estava sendo iniciada num país do leste não lhe chamou tanta atenção, muito menos algum sentimento. Nem as propagandas de preservação do meio ambiente falando de aquecimento global. Porém ficar sabendo que aquela ex participante de reality show, que ela tanto torceu contra ia ganhar uma grana mais alta do que o premio do programa para posar nua quase lhe faz enfartar de tanto ódio. Ódio!

O Avesso Quebrado

Posted: 19 de jul de 2009 by Lux Alt in
1


Não sabia o que era liberdade, até que seu reflexo o fez entender. Ninguém pode dizer que foi fácil. Afinal não é todo dia que alguém entende a realidade de se estar vivo de tal modo. Ninguém pode dizer que foi difícil. Afinal saber sobre o que é a vida e a liberdade é como respirar. Você não precisa lembrar pra acontecer. Não é todo dia que se avessa a mentalidade de alguém, para fazer-se conhecer o que há por dentro de si. E mais do que qualquer coisa, não é todo dia que alguém quebra seu próprio reflexo para saber o que está alem.

Poder De Mídia

Posted: 18 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


É uma pena perceber que a mídia não faz contaminação de educação ou informações evoluídas como fazem com doenças criadas em laboratório ou com mortes de superestrelas falidas. Tudo isso para que o povo não tenha imunidade racional. Você acha que a mídia hoje não poderia criar um surto de demência? Pense mais um pouco...

Coincidência Viral

Posted: 17 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Lívia sonhou que era um porco. E acordou com seu próprio espirro. E pensou como seria estranho um porco gripado. Depois pensou que novas pandemias coincidentemente surgem somente quando tentam discutir curas para antigas.

Quebrando Paradigmas

Posted: 16 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Ela cansou de reclamar da vida e de tudo o que via de errado. Pois sabia que era sua inércia que fazia o nada acontecer. Como aceitar calada tudo o que passava na televisão. E logo explodiu o aparelho na parede. E se cansou de seu emprego, e rasgou a carteira de trabalho na cara do patrão; E cansou de seu casamento e jogou sua aliança pelo ralo; E mais do que qualquer coisa estava cansada de ser ela. Quebrou o espelho... E passou a ser ele.

Donos De Nada Ou Propriedade Temporária?

Posted: 15 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Todos acham que merecem um lugar no mundo, mas afinal quem falou que isso pertence a algo ou alguém? A terra é da terra. E pensamento tão egoísta é tão mínimo temporalmente quanto o tamanho da insignificância da existência de um humano em relação ao tempo de vida do planeta. Ainda acham que são donos de alguma coisa? Por quanto tempo?

Valsa Inocente

Posted: 14 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Era festa de formatura de não se sabe quem, mas Ana Beatriz adorava dançar... Perdeu-se de sua mãe no turbilhão de convidados. Mas logo achou uma amiguinha com quem dançou várias e várias valsas. A música só parou quando elas se beijaram impetuosamente. Infelizmente o beijo era já de despedida.

Livres Vontades

Posted: 13 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Enquanto eu praticar pensamentos de liberdade, sei que nunca estarei sozinho. Enquanto não me prender a nenhuma pátria, sei que poderei ter todo o mundo em mim. Enquanto for libertário, nenhuma prisão poderá prender a vontade de ser real.

Shermie – Sem Donos!

Posted: 12 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Ela mora conosco, e certamente no dia em que se entediar desse lar, poderá ir embora. Ninguém aqui é dono de seu nariz ou rabo. Shermie é uma gata de estima livre!

O Trabalho e Suas Maravilhosas Consequencias

Posted: 11 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


João só pensava em trabalhar, trabalhar, trabalhar e comprar e conseguir mais e mais dinheiro pra comprar todos os bens de consumo que realmente não precisava. Até que surgiu um convite de trabalho no interior. Numa fazenda distante. Afinal era uma boa proposta salarial. Hoje está distante de tudo, mas com trabalho incessante... Escravizado.

Drogas... Que drogas?

Posted: 10 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Passou-se a época de faculdade, e as calouradas de psicologia eram famosas por serem as mais fartas de drogas. Formado, Elias se gabava de nunca ter se viciado em nada. Até que se apaixonou por um de seus pacientes.

Suposição De Caos

Posted: 9 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Se a batidas de asas de uma borboleta,
Podem causar um furacão do outro lado do mundo,
O que você acha que um saco de seu egocêntrico lixo,
Pode fazer ao teu lado?

Prisma Possibilidade

Posted: 8 de jul de 2009 by Lux Alt in
0


Sua cabeça sempre estava doendo, e intimamente sabia que tinha pensamentos que lhe pareciam impróprios, de cores que não condiziam com seu gênero social. E de tanta dor, explodiu! Embora tivesse a infinidade prismática para pensar. Este preferiu morrer em dor monocromática. Calado com o medo de ser prisma.