Os Limites Da Liberdade

Posted: 30 de mar de 2009 by Lux Alt in
0


O limite dos solos tortuosos da liberdade,
É dos portões do quotidiano auto-questionamento.
Então,
Podemos dizer que debelamos as planícies sem limites da mental sanidade!

Parentes Ignorados

Posted: 29 de mar de 2009 by Lux Alt in
0


Às vezes é toda a acepção de que somos,
Desconhecidos que se assemelham na construção.
Às vezes é como se todos os prédios compreendessem,
Que não são tão diferentes afinal,
Todos os companheiros calados da inoperância...
Ninguém sentiria como eu quando digo que é tudo um sonho...
Às vezes não há o que ser sentido por tais parentes distantes...
Parentes de ossos.
Mesmo propósito e fim.

O Peso (Até O Último Dia Da Vida)

Posted: 28 de mar de 2009 by Lux Alt in
1

Talvez ninguém entenda,
O que é amar até o último dia da vida,
Por não saber o que é amor...

Talvez ninguém saiba,
O que é liberdade adquirida,
Por não ter da prisão o horror...

Talvez ninguém tenha ciência,
O que é carregar o peso de um sentimento,
Por não sentir-se real nem em ação, nem em pensamento.
Talvez ninguém só não entenda meu coração...

Um Urro DeMente

Posted: 27 de mar de 2009 by Lux Alt in
1

Eu ouvi, quando gritou dizendo que não era mais você,
Eu vi quando pôs toda a carga de opressão para fora.
Eu senti como você a liberdade de não ter mais medo de ser real.
Eu provei na língua o próprio sangue da inocência como você,
Para saber que estava ainda vivo,
Eu respirei a transpiração da coerência entrópica
De um momento como todo ser é...
Animalescamente instintivo!
Livre!
E não há como ser isso se você não deixar de ser você.
E não há como ser assim se você não for somente você mesmo!

Não são só sentidos...
É tudo um sentido.

Guerra De Mim

Posted: 25 de mar de 2009 by Lux Alt in
1


Nem tudo era vazio afinal,
Todo o vácuo estava pronto
Para ser algo mais do que um momento inexplicável.

Nem toda inspiração foi aspirada,
Todo o holocausto de inexatidão inspiratória
Passou a ser essência sustentável.

Em tempos de apatia obrigatória,
Todo o resto a ser lembrado,
Nem vale a pena ser pintado.
O egocentrismo é a única postura confiável.

Viver Dá Muito Trabalho...

Posted: 24 de mar de 2009 by Lux Alt in
1


Tudo acertado,
Há espaço para vagar na independência de deleite.
Não mais permitir ordem na confiança da escolha,
Por mais que tudo seja alvitre individualista,
O rumo da água pode ser contra a correnteza.
Mas há ar fora e dentro da água!

Uma coisa é trabalhar para viver,
Outra coisa é viver para trabalhar.
Outra coisa é fazer um trabalho vital.
Outra coisa é tirar vida com um trabalho
Mais cedo ou mais tarde,

Quando se quer sua própria vida,
Se vive!
Se voa...
Livre das responsabilidades de trabalho.
Acha-se a própria flor.

Sob Um Só Guarda-Chuva II

Posted: 23 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

Sob o semblante do acaso,
Tudo parece confortável.
E quem atravessa a largo passo,
Teme molhar a convicção de realidade.

Nas partículas de indiferença,
Todos sentem o mesmo frio.
Mais um raio, menos uma vida...
Tudo estará no passado ao passar a poça.

Para onde iremos então se tudo escoou,
Para o esgoto entupido da razão independente?
Onde nos abrigaremos, se tal guarda-chuva é tão... Individual?

A Vida É Muito Importante Para Ser Levada A Sério

Posted: 22 de mar de 2009 by Lux Alt in
0


Não conseguimos aceitar a morte, nem os acidentes...
Por mais que tentemos, tudo adiante parece calado demais,
Não conseguimos contar só com a sorte dos videntes...
Por mais que tentemos, um comediante real sabe viver mais...

Não nos importamos nem um instante com divergentes morais...
E o pior...
Não conseguimos separar um amante de normais ou DeMentes.

Labirintos Libertários

Posted: 21 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

Não adianta tentar fugir,
Estamos presos nesse imenso labirinto de medo...
Não adianta tentar entrar,
Todos os caminhos são sociais e se encontram tarde ou cedo;
Não adianta tentar sair,
Enquanto houver o que todos consideram barreiras da razão,
Todos ainda estarão presos,
Nas curvas do labirinto maior que é a própria idéia de libertação!

Chamado Em Flama

Posted: by Lux Alt in
0


Do fundo da essência,
Chamar em chama
Teu nome uma ultima vez!













Amor!

Amistosa Sobriedade

Posted: 20 de mar de 2009 by Lux Alt in
1


Matei minhas melhores amizades por minhas idéias de liberdade,
Não haveria como ter estimas com a própria mediocridade,
Sem espaço para hipócritas emanações de falsa fraternidade.

Sem Tempo Para Parar

Posted: by Lux Alt in
0

Não há mais tempo,
Pra comodismos.
A vida é agora,
Não haverá ensejo
De uma nova quebra,
Não há mais tempo,
Pra deixarmos muralhas,
Tudo o que almejamos estará além dessas elevações...
É tempo de destruir todos os muros que nos separa!


Ouçam, Cantem... Ou Dancem

Posted: 18 de mar de 2009 by Lux Alt in
0


Ouçam... A música retumbar no coração,
A melodia começou para unir as idéias
A conjectura do universo!

Cantem... Basta desejarmos a união
E tudo findará em pelo menos
Um murmúrio de paixão!

Não estamos sozinhos,
Nessa empreitada temos mais do que vozes...
Temos as idéias coerentes,

Apesar da melodia ainda ser aguda demais pra todos alcançarem...
Mesmo assim cantem, ouçam...
Ou pelo menos dancem!

Apatia Natural (Ou Canibalismo Social)

Posted: 17 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

É simplesmente natural ver os análogos na rua molhada pelos prantos,
Se atracarem em farpas e em antropofagia cada qual em sua fome...
Mas ao final que semelhança realmente possuímos, se nos odiamos tanto,
Perante essa solidão socialmente individual que a todos consome?
Cansados de ouvir que cada ser é único cada qual no seu canto e com seu nome!

Poderia observar em alguma parte algo que fora similar...
Mas já comeram meus olhos e meu coração...

Creio Que Em Nada Creio...

Posted: 16 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

Não há muito que ter como credo,
Quando se conhece o que é informação,
Quem diz que a verdade liberta,
Não sabe que poder tem a mentira.
Ou melhor, que toda verdade pode ser invertida...
Ou convertida.

Não há muito que ter como credo,
Quando se tem conhecimento;
Sim, esse é o instrumento da libertação do corpo, da mente e da imaginação!
E principalmente o conhecimento da própria razão!

Suicídio Acidental

Posted: by Lux Alt in
0


Com a saliva o engasgo,
Morte massiva e natural.
Lágrima viva ao esmago fatal.

Tempos De Discrepância

Posted: by Lux Alt in
0

Houve um tempo onde havia a inocência...
Sem tanta vontade de que o tempo acabasse.
Houve um tempo que mal deixou reminiscência,
Sem perceber todos atravessaram a rua para vida...
Houve paz além das brigas por atenção e carência.
Um tempo que nada resta além da fragrância,

Por melhor que seja o tempo,
Em todo o tempo há alguém com idéias de intolerância.

No Esgoto

Posted: 15 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

Em períodos tão complexos, os perplexos ficam obscuros
Ao perceberem que beberam demais da cólera indigesta,
E por mais usual que isto possa parecer ultimamente,
Não há como negar que o fundo é o mesmo poço de paciência...
Todos têm sido passivos perante o que é a existência.
Singular,
Simples,
E sem reprises.
Só há uma oportunidade para ser real!
Então não afunde nessa lama social!
Ou pelo menos aproveite a submersão...

Águas Congeladas

Posted: by Lux Alt in
0


Vá! Vamos!
Somos capazes
De mudar a correnteza das cachoeiras...

Eu vou, eu sei o que quero!
Eu sei o que sou, e o que espero.
Não há cobranças quando se é sincero
Diante da consciência da circunstância
E se temos a razão de ser o que somos...
Sem externa influência ou ânsia!

Vá! Vamos.
Que não haja rendição
Perante a inundação do comodismo!

Reminiscências Do Existir

Posted: 14 de mar de 2009 by Lux Alt in
0


A inquietação da existência,
É o que faz existir,
Pois a memória só se faz
Perante as feições da vida...

Assim tudo o que é vivo faz parte
De uma planetária reminiscência.
E nas flores de outono,
As pétalas murcharão porque estão vivas...
Assim como nós.

Consciência Da Sensibilidade

Posted: 13 de mar de 2009 by Lux Alt in
0


Enquanto todo o mundo flutua na crosta de insensibilidade,
Vamos aprendendo que não existem pessoas inconscientes,
Afinal que pessoas estão em sono eterno?
Que inconsciência seria capaz de tirar alguém dessa realidade?
Afinal, para sair dessa realidade,
Precisar-se-ia ter a mais bela das consciências...

Perguntas Irrespondíveis

Posted: 12 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

Quando não há mais a possibilidade de espera,
Todos os barcos partem para ilha do almejar...
Quando os toques não são mais necessários,
Todos os que precisam contraem hanseníase.
Quando alguém pergunta o que há para ser perguntado,
Você chega a mim e pergunta o que eu estou pensando...

Um Dia De Útero (Ache O Seu!)

Posted: 8 de mar de 2009 by Lux Alt in
0

Porque tantos acham
Que sabem o que uma mulher sente?
Porque tantos acham
Que uma mulher sente-se diferente?
Porque tantos acham
Que a reprodução é a única finalidade?
Porque tantos acham
Que ser mulher é ter fertilidade...?

Porque tantos acham
Que a mulher é simplesmente indefesa?
Porque tantos acham
Que não é a sociedade que cria tal fraqueza?
Porque tantos acham
Que uma mulher é só uma vagina?
Ah falsa liberdade cretina!
Que prende as pessoas por sua natureza...
Ah sociedade...