A Realidade Inversa De Um DeMente

Posted: 30 de jul de 2008 by Lux Alt in
4

A loucura é o desejo de ter liberdade,
Como promessa,
Pra mente.

Comportamento De Engrenagem

Posted: by Lux Alt in
0


E que tudo o que foi dito
Derreta nas línguas fluídas do esquecimento.
Nada vale a pena ser lembrado para sempre,
Pois sempre é tempo demais.
Não há memória que para tudo dure,
Pensar mata neurônios fragilizados.
E que tudo que seja feito seja de prazer
E pressões enamoradas ao ego.
Todas as palavras podem e são corrompidas
A cada instante de prática,
Pois é da natureza humana
Fazer do seu comportamento a porta da janela,
De um jazigo sepulcral para todas as livres e instintivas relações.
E que tudo desejado possa ser realizado ao enfumaçar da areia vidro.
Que no âmago dos quereres,
Mesmo o não proferido tenha a chance de ser,
Pois a fantasia de se estar vivo é a doce enferrujada engrenagem
Desta inocentemente culpada humanidade.

Mercado Das Almas

Posted: by Lux Alt in
1


Você acha mesmo que temos que nos preocupar
Com um possível eventual póstumo ou entrópico castigo?
Você acha mesmo que devemos nos humilhar e servir
À fábulas passadas de degeneração em degeneração?
Você acha que a proposta aleivosa de imortalidade seduz?
Não... E saiba que mesmo achando a vida curta para tudo,
O tudo que uma vida como essa é, já é um tudo de saco!
Então nos poupe de suas políticas juras de edificação alienada!
Se quiser almas para comprar podemos até vender a nossa...
Mas não garantimos a entrega do produto,
Em nenhuma hipótese a devolução de seu dinheiro.
Nem reembolsamos por falta de peças.

Novo Passadio

Posted: by Lux Alt in
0


Ok, tempos ruins sempre, sempre virão,
E o que mais conforta não é saber que eles passarão,
Mas sim olhar por outra perspectiva de que não são tão ruins assim,
Afinal tudo o que é ruim pode piorar.

Ok, os tempos ruins são conseqüências,
Dos nossos atos tidos como bons momentaneamente,
Atos impensados, mas os mais propícios no tempo,
Afinal tudo o que é agora piora depois.

Ok, os tempos ruins sempre voltam.
Então porque achar isso tão ruim?
Aproveitemos somente os bons tempos!

Bons Tempos Imemoráveis...

Posted: by Lux Alt in
0


Em eras anteriores ao tempo,
Havia o nada e tudo era perfeito,
Um brilho de centenas de sóis,
E num milagre apocalíptico,
O universo achou de criar a pior coisa:
A humanidade...

Pensando No Pensar

Posted: by Lux Alt in
0


Você pensa que não se podem comprar sentidos e sentimentos,
Mas não sabe que esta crença já é uma compra / venda.
Você pensa que seu pensamento é seu, pois é assim que querem,
Mas não sabe como seria sem ter o que chamam de pensamento.
Você pensa que...
Você pensa? Ou pensam por você?
Você pensa que a resposta é sua...
Mas não tem mais esse poder de discernimento.

Toques De DesConstrução

Posted: by Lux Alt in
0


Com um toque o caminho foi desenhado,
Em tijolos de certeza e aceitação...
A destruição é a única realização humana.
O que construímos de realmente grandioso?
Uma muralha, dois prédios, algumas insólitas memórias?

Com um toque uma “evolução” se deu,
Ao ponto de não mais se ter um caminho além.
Uma idéia de evolução baseada no conforto momentâneo.
Agora há somente o declínio regressivo,
Para onde tudo começou: o centro do solo.

Com um toque todo o resto foi infectado com o vírus da apatia,
Afinal não há porque se importar se você já é portador
E não mais há o que ser feito.

Com um toque tudo desabou perante o orgulho de uma dita espécie superior,
Afinal os olhos da realidade se fecharam enquanto gargalhava,
Da lepra destrutiva que é a humanidade.

O Mais Básico Medo

Posted: by Lux Alt in
0


O crepúsculo da inconsciência
Torna a alienação da sociedade
A fonte da miséria e obediência!

O medo arma prática de autoridade,
Um controle concedido em silêncio.
Para ter-se proteção da liberdade!

Ressonância Das Paixões

Posted: by Lux Alt in
0

Andamos por tantos lugares, conhecemos tanto de nada,
Buscamos algumas coisas, não encontramos muito,
Mas não é tão tarde pra intuir que a vida é curta demais.
Então se há a inópia de estar com alguém,
Que seja sempre uma nova paixão. Um Alguém!
O mundo é grande demais
E a vida mesmo muito curta para querer prender-se a uma única coisa.
Se for o caso de querer inevitável companhia, que não seja a única nem ultima.
Que o amor viva e deixe viver livre,
E quem sabe seja melhor prender-se ao melhor Alguém,
Somente ao leito de morte.

Poluidores

Posted: by Lux Alt in
0

O que mais pode ser lixo nesta terra se,
Nós poluímos
Nós mesmos.

Chá De Flores

Posted: by Lux Alt in
0


Uma imagem contrastante de pós-apocalipse,
Com a migração de milhares de brancos pássaros.
Flama em corrupção o banquete do desespero.
Enquanto a procissão alucinada vê o fim,
Marionetes são queimadas por terem arrebentado suas próprias linhas.
E nesse fim, as pétalas continuam caindo enquanto tudo já se foi.

Sonhos De Porcelana

Posted: by Lux Alt in
0


Em meus sonhos eu morro toda vez,
E cada tentativa de infectar o mundo,
Malogra ao perceber minha presença.

Eu morro em meus sonhos,
Pois a realidade é um pesadelo comigo,
E com a presença de todos de minha laia.
Só em meus sonhos... Infelizmente.

Humana Coifa

Posted: by Lux Alt in
0


Numa coifa de desejo,
A humanidade se anula,
Para calar os quereres inquiridos,
Nos labirintos opostos de carne e dor.
Buscando respostas sem perguntas,
Entre sombras de dias invertidos.
E a areia da atemporalidade,
Faz mais e mais interrogações,
Que a ignorância das memórias faz esquecer,
Que a humanidade ainda está em sua coifa,
Desejando ser livre.

O Desespero De Esperar

Posted: by Lux Alt in
0

O desespero de esperar uma liberdade,
Faz dos dias eternidades amargas acinzentadas.
E quanto mais aproximada a alforria,
Mais se quer saltar... Num salto sem volta.

Em tantas estações o clima se repete
No escaldante frio da solidão sem razão
Ou solução do egocentrismo libertário.
Afinal, quando todos forem realmente livres,
O que fazer com os demais conceitos?

O desespero de esperar estando preso,
Faz todas as grades terem uma pressão diferente,
E a anestesia da impotência a insensatez de esperar.
Afinal, porque se desesperar se a vida é tão curta?
E também como não estar desesperado,
Se tudo está acontecendo ao seu redor enquanto você está...
Preso.

Livre Preferência

Posted: by Lux Alt in
0


Nada é verdadeiro completamente,
Toda mente pode esquadrinhar a realidade
Que mais se adaptar com sua acepção de solidez dissolvida,
Quem tentar ter sua verdade não mais será sua...
E mesmo que as luas passem por mentira,
Haverá uma verdade oculta
Na sombra das folhas da árvore das idéias secas.

O que você pensava que poderia ser uma mentirosa alucinação
Está agora se configurando na realidade dos desejos.
Se havia alguma dúvida a ser questionada
De porque e de onde, agora a resposta é dada.
Em pedaços de simples desconstrução,
O caos é a resposta da verdade da realidade.
O dinamismo infinito das probabilidades
É a força que rege os conceitos de verdade ou mentira.
Então assim sendo, tudo o que foi dito e realizado não passa de...
Ah você escolhe!

Caídos Entre Caídos

Posted: by Lux Alt in
0


Mais uma vez caímos em miséria
Percebendo que não somos tão diferentes de todo o resto,
Temos buscado nada mais
Do que a mesma coisa que todos buscam...
Uma salvação...
Mesmo querendo isso agora
E que seja em definitivo, ainda assim é o mesmo desejo.
Só que não é tão simples constatar
Que não há como se levantar para tentar...
Tentar...
Já estamos no chão e nos arraigamos a idéia
De que a terra é confortável demais para sair.
A vontade é só de adormecer neste conforto,
Talvez até plantar sementes para acompanhar.

O comportamento dos outros tem se refletido em nós,
E temos repetido o que é a futilidade de querer subir.
Afinal, para onde? Para que?
Que idéia estúpida é esta de estar em cima?
A que custo? Em cima dos outros?
Não seria magnífico se pudéssemos estar
No mesmo plano nas mesmas idéias?
Mas todos sabem que quando desistimos
De querer ir além ou adiante, estamos indo contra nossa natureza.
O comodismo está nos prendendo
À idéia de acomodação cômoda e confortável.
Como querer sair do lugar assim?
É da natureza de qualquer ser querer ser livre e evoluir,
Pois sabemos quando isto é necessário... Não?

Então quando não mais querer o querer
Se é tão difícil não sentir-se animal cultural?
Quando deixar de cair se a queda acontece por simples...
Acidente...

Inevitável é não desejar que todo o resto desabe junto.

Isolamento No Jardim Selvagem

Posted: by Lux Alt in
0

A consciência fez o isolamento, e mesmo tudo parecendo liberto,
O isolamento configura-se numa perspectiva mental.
E já que a conseqüência da consciência libertária é o isolamento,
Temos achado que o modo mais fácil de ser livres é nos afastando,
Num isolamento mutuo onde cada qual segue sua rota migratória,
Não importa qual estação se fará adiante, estamos enclausurando-nos,
Em conceitos dogmáticos sem um sentido real de libertação.
Agimos querendo libertar cada vez mais entes e não nos realizamos.

Quem nunca se sentiu um louco no jardim das espécies? Sozinho...
Quem nunca se sentiu uma brisa livre no ar do pensamento insano?
Isso é demais para negar a partir de uma consciência...
E o que faz tal desolação senão o custo de se saber
Que não é nem de perto, nem de longe parecido
Com o resto de todas as criaturas do imenso selvagem jardim.

O isolamento se fez quando decidimos sabendo que nossa busca,
Pela tal almejada liberdade podia e devia custar uma nova prisão.
Assim as grades que prendem a realidade deixam fora outra visão:
Que o paradigma do isolamento é a concepção igual de uma mutua realidade livre.

Cosmopolita

Posted: by Lux Alt in
0

A partir deste momento, onde for será um lugar diferente,
Sem corrente,
Sem algemas nas asas e na mente.
Sem família ou falsas responsabilidades consumistas.
A partir de então toda cidade será minha assim como é do mundo,
Todas as ruas conhecerão as marcas de meus tênis
Sujos com a terra de todas as terras de litorais e de florestas.
A partir de tal consciência não mais haverá fronteiras...
Não mais haverá língua ou cultura que separe ou prenda.
Sem mais arames farpados, cercas elétricas ou muralhas,
Sem mais barreiras, fronteiras ou bandeiras...
A partir deste momento a liberdade mental faz
A libertação do corpo quanto ao espaço.

Última Noite No Mundo Com A Lady Liberdade

Posted: by Lux Alt in
0


Hoje o mundo parou, pois eu lembrei...
Que algum dia eu quis não parar.
De tão agradável sensação, a dor não existia.
E foi como se tudo fosse plenamente puro.

Hoje o mundo parou,
Lembrei-me de você. Comigo.

Candura

Posted: by Lux Alt in
0


De qual sustentabilidade você quer administrar uma ilusão?
Que ser insustentável você acha que acreditará em tal mentira?
Você só esta contribuindo para mais e mais destruição e corrupção.
Seu lixo, seu reflexo de atitudes e personificação de minha paralisia.

Não mais há cura ou remediação para uma doença tão corrosiva,
A única coisa a ser feita é evitar ter mais da praga danosa.
Afinal para que se importar com gerações futuras se a sua acaba em você?
A proposta é evitar a dor do agora, de todos que vivem o hoje!

E que a humanidade morra em sua própria merda e lixo,
A Natureza seguirá seu natural curso.
Adaptação e evolução.

Um Reflexo De Procura (Busque O Seu!)

Posted: by Lux Alt in
0


Sem esperar a dúvida se fez:
O que procurar arriba?
As vértebras se desdobraram para uma réplica não tão sã.
Além do espelho uma imagem, que teve que ser outra pessoa para responder...
Teve que livrar a consciência dos estereótipos do que é a sanidade,
E a interpretação de ações tão refletidas teve que ser reconfigurada,
Assim sendo, a resposta foi entrar de cabeça no reflexo,
O espelho fez o convite a ser completamente real
Abrindo assim a porta do infinito auto-questionamento.
A imagem refletida é somente maior abismo também...
E sem esperar o espelho quebrou...
Seus vários pedaços, portas para dimensões oníricas do ego.

Premissa Da Justiça

Posted: by Lux Alt in
0


A justiça que se busca
Sempre irá empurrar de frente
Contra as leis de uma moral.
E não implica como,
Se a cegueira já não tem cabeça
Menos ainda outros sentidos a corromper,
O único sentido de se fazer justiça
Assim como um crime é o egoísmo.
Ninguém quer ser punido perante um crime,
E nenhum crime é interpretado como tal
Quando se há a pura vontade de realizar algo para si.
A justiça quer tão somente ver a luz
De um eclipse para que
A morte não lhe pareça tão eminentemente perigosa afinal.

Danos Doloridos

Posted: by Lux Alt in
0


Todas as dores do mundo
Configuram-se numa única interpretação,
E não há como ter a anestesia,
Se há tanto sentimento de impotência.
Como esquecer todo o mundo
Para senti-se pelo menos além?
A pior dor do mundo é única por só uma pessoa sentir...

De qualquer modo a dor da impotência
Perante o tudo que o mundo é,
É mais dolorosa.