Uma Visão Paradoxal

Posted: 30 de jun de 2008 by Lux Alt in
9

Posso sentir as pétalas farfalharem em minha face,
Posso ver o orvalho na grama matinal,
Posso respirar um pouco de ar puro...
Mas questiono-me ao sentir isso:
Quanto mais poderei ter. Até quando ansiarei por esta paz?

Talvez a rosa seja somente plástico retorcido,
Talvez o orvalho seja só lama saindo do bueiro,
Talvez o ar puro seja a fumaça de mais um cigarro negro,
Ao ver que nada do que sentia era real
Estando nesta droga de cidade, fabrica de sonhos malogrados!
Vejo que a solução de tudo é continuar sendo DeMente.

Voltando As Raízes DeMentais

Posted: by Lux Alt in
0

Como você pode querer saber como é estar preso,
Se faz da vida alheia simples produto manicomial?
Como se sentiria acordar numa cela indefeso,
Se disseram que você é culpado por ser antinatural?

Como ser igual a todos quando isto vai contra sua natureza?
Como ser outro quando todos dizem para você ser real?
Como não ser o que pensa se isso é sua única certeza?
Como ser você se também mandam você ser social?
Como você pode querer ver na loucura beleza se é só racional?

Não Mais Sozinho

Posted: 29 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


Isso não é sobre mim,
Ou sobre você...
Isso é sobre como o mundo
A sua volta lhe vê
O que eu vejo e como você acha
Que vêem você e eu.
Isso não é sobre vista,
Assim como olhares.
É sobre perspectiva.
Assim como verão o que está aqui.
Eu vejo o mesmo que você vê!
Ou vi... Por um momento...
Por perspectiva diferente.

Sobrevivendo Amanhã

Posted: by Lux Alt in
4


Não vivamos pra um amanhã!
Não há tal necessidade,
Que as crianças possam ser livres,
Para escolherem caminhos,
Que o passado não interfira em condutas,

Não vivamos pra um amanha!
Quem sabe o que virá?
A incerteza deve ser um combustível,
Que as crenças se desfaçam agora,
Que os corações se partam em prazer!
Que só haja o agora! Sem a dor,
Da espera do amanhecer.

Hedonismo, A Cura

Posted: 28 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


Pegue todo o tempo que tem
Faça algo que faça bem!
Fazer o melhor para sentir prazer em viver
E a melhor cura pra doença infecciosa,
Que é ter a consciência que é somente,
Mais um infeliz humano.

Sem Problemas Noturnos

Posted: 27 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


Sem problemas se a noite não passa, afinal,
Mesmo trabalhando, é o turno preferido...
Algum dia as noites serão de festas e prazer!

Sem problemas se tenho que fazer o que não gosto,
Somente para satisfazer necessidades alheias,
Afinal estas alheidades me fizeram até então.
Algum dia serei alheio a todas estas obrigações!

Talvez dia algum possa me algemar a alguém...
Não... Mas sem problemas também
Se hoje não há alguém a se prender,
Afinal, mesmo que a noite não passe,
Um eclipse sempre faz tudo ter outro aspecto.

Mais Dez Minutos De Sono, Por Favor!

Posted: 26 de jun de 2008 by Lux Alt in
0

Poderia ter ficado o resto desta torpe existência dormindo,
Assim tentando sonhar com um mundo melhor...
Poderia imaginar que as flores não estão murchas,
E que a brisa que farfalha a face não é um tornado de poluição...

Poderia ter tentado ainda deitado estar para temperar,
Com a páprica dos sonhos, ter qualquer paixão
Poderia crer que tal paixão na realidade não é ignóbil,
Assim consumaria o sonho somente sem preocupações de amanhã!

Poderia ainda estar de olhos fechados para não ver a desgraça vital,
Que a cada dia torna a vitalidade mais desprezível e competitiva,
Poderia ter ficado enrolado nos lençóis enquanto lá fora chove,
Mas tenho que ser o que eu nunca quis para construir o que eu não desejo...
Poderia ficar dormindo, mas tenho que trabalhar! E você?

A Chance De Semear

Posted: 25 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


A noite escura cai,
O sol chama novamente,
E não mais há como dormir...
O que devia ser feito foi feito.
Mas o sonho não se fez.

As verdades foram ditas,
As mentiras omitidas,
Por quem tanto esperou.
As vidas só viveram o melhor possível.
Algum dia poderão viver novamente,
Como esterco somente...

Ausência Concedida

Posted: by Lux Alt in
0

Fazemos o que podemos
Para nos ausentar da culpabilidade,
Nunca queremos mesmo
Ter que fazer nada para sermos mais reais,
Afinal consome demais tempo
Tentar ser contra as idéias alheias,
Mesmo que sem suas idéias
Você sobreviva infeliz perante todo o resto.
Mas quem se importa com o que você deixa de fazer,
Já que se você não fez nada, nada é.
Nós só não queremos ser culpados
Por sermos o eu
E a isso sempre nos prendemos.

Morte Iminente

Posted: 22 de jun de 2008 by Lux Alt in
0

Nem todas as cores fizeram a dor sumir,
Por dentro a podridão consumiu e gangrenou.
Porque criar personagens para se ser em outras mentes,
Se ao final estará só pelo mesmo motivo?
Nem adiantou tanto criar se a vontade fraterna não existia,
Se nem o amor-próprio era significante...
Nem todas as personalidades foram suficientes,
Para matar a vontade de ser tudo o que queria.
Nem todos os lugares foram satisfatórios
Para se conhecer a si mesmo.
Nem todos os escritos foram mesmo aceitáveis,
Para parar a hemorragia do pensamento DeMente.
Terminou por morrer por não por fora o que sente!

Suicídio Natural

Posted: by Lux Alt in
1

Só quero te seguir e observar,
Como podes ser livre como a água abaixo do sol radiante.
Quero ter um pouco da atenção,
Que te dão ao ver num cinza urbano ambiente.
Quero me sentir realmente tua cria,
Como todo o resto deste vasto mundo...
Quero ser algo de bom para tudo,
E não mais um a destruir e a consumir até as entranhas,
Deixe que eu seja enterrado em teu ventre,
Para que eu possa ser simbiose e não um parasita.
Por favor, natureza deixe que eu morra em ti.

O Rumo Egoísta Das Buscas

Posted: 18 de jun de 2008 by Lux Alt in
0

Sem rumo definido
As teorias tomam aspecto de reação,
E nem que as idéias
Não passem do plano,
O inicial...
É demonstrar não se importar
Mesmo com nenhuma direção a ser tomada.
Pois de nada serve, serviu ou servirá
Tal serventia perante um velório próprio.

Parece estranho
Ter um aspecto dessemelhante
Perante a prisão de um lugar?
Pois a maior estranheza seria assim não ser!

Se o mundo busca uma solução
Para o problema de falta de buscas e rumos,
Você pode tornar-se o objeto procurado,
Sem nenhuma vantagem ou especialidade nisto,
Somente sendo para si algo de real relevância!
Algo livre!

O Nosso Conluio

Posted: by Lux Alt in
2

Temos nos juntado tão separadamente unidos,
Nossos conceitos tão parecidos têm se distanciado.
Temos feito tão pouco do que gostaríamos,
Todos cremos que podemos, mas não queremos realmente.
Então o que fazemos apenas pensando?
Pensar está nos paralisando no tempo e espaço!
Estamos cansados de nada fazer para nada mudar...
Mas nós mudamos a nos mesmos só por necessidade de comodismo,
Se acomodar na inoperância realmente cansa!
Portanto não me acorde para uma eventual ação...

Ampulheta Entupida

Posted: 16 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


Mais horas e mais horas,
E nenhum milagre esperado aconteceu.
Em cala lugar no mundo alguém acaba de acordar,
A mais e mais tempo a humanidade se torna peso,
Na balança das coisas necessárias.
A ampulheta entupida com a sujeira
Faz com que a imundice se torne o único tempo,
E essas horas são o que implicam ao fim...
As horas antes, as horas depois...
Do agora.

Por Favor, Concorde!

Posted: by Lux Alt in
1


Sua escolha sempre será a mais importante...
Então acorde!
É ORDEM!

Auto-Estalo

Posted: 12 de jun de 2008 by Lux Alt in
1


Não aspire se refluir
Sem ter provado
Tudo o que é capaz,
Sozinho.

Não queira ser sem ver,
Sem ter sonhado,
Com todas as imagens
Sozinho.

Não queira machucar
Sem saber o que é dor,
Provar corpo e mente
Sozinho.

Não queira escravizar,
Se não sabe o que é liberdade.
Então se liberte primeiro...
Sozinho!

O Desígnio Da Vida

Posted: 9 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


A humanidade tem mania
De criar doces fantasias,
Para satisfazer a fome...
De seu antropoegocentrismo!

A humanidade quer
Um sentido a mais para a vida,
Quando já temos pelo menos três:
Nascer, crescer e morrer!

E por favor, que seja sem reproduzir!
Mais uma vida?
Mais uma chance?
Ok, como alimento para tapurús.

Depois Da Morte

Posted: by Lux Alt in
0

Se o mundo acabar mesmo, por favor, não me ligue de volta.
Não acredito em falsas promessas nem mesmo vivas...
Estarei voltando para o conforto gravitacional da lua,
Se não mais encontrar uma razão para ser depois disso,
Talvez seja o momento de pensar se não esta pensando demais em insanidade.
Se você não consegue parar de pensar em tudo do além nada,
Então não nade contra a correnteza da incerteza da natureza,
Afinal o final do mundo será assim que você terminar morrer.
Não creia que você mísero humano pode ter mais uma chance,
Nem comigo.

Falso Conduto

Posted: by Lux Alt in
0


Carregar tantas mentes fez-me um colecionador,
Somos produto,
Pecador!

Todos Os Dias São Assim

Posted: 8 de jun de 2008 by Lux Alt in
0

Você não acha que esta realidade é estática demais,
Que a humanidade tem cada dia mais motivos
De vergonha do que qualquer outra coisa?

Então porque ainda continuar na mesma realidade,
Que esta condição desprezível?
Liberte sua mente... Para as possibilidades de outras...
Agora!

Caminho Fluvial

Posted: 6 de jun de 2008 by Lux Alt in
0


Porque as paixões não vêem com água suja da chuva?
Lamento real...
Sem lama.

Artífice Da Vontade

Posted: 2 de jun de 2008 by Lux Alt in
0

Estão olhando, olhando para mim!
Eu não posso, e sei que não posso ser ignorado.
Sinto muito, mas na verdade
Nada sinto por não ser igual
A toda ordinariedade social.
Assim ficam me perseguindo,
Sei o quanto sei e para que serve.
E tudo que me empenhei em saber,
Realmente me serve de algo.
Não adianta tanto conhecimento,
Se não usarmos a imaginação,
E tal não vale tanto sem a fantasia
De se fugir da realidade cotidiana!
Fugir, não é bem a questão, seria...
Moldar a realidade à vontade própria.
Olhar para o mundo como desejar ver.
É o que faço, por tal sou notado,
Sei que por raspar a realidade não sou igual,
Ao resto que nada faz.

A Cura Das Esperanças Refletidas Nos Heróis Doentes

Posted: by Lux Alt in
0

Não adiantou ter tantas esperanças,
Ao fim tudo foi o que o destino havia desenhado,
O destino das causas e conseqüências,
O destino das ações e reações...

Não adiantou olhar dentro do espelho,
Ao fim nenhuma resposta reflete a satisfação das questões,
O reflexo de uma nova pergunta,
O reflexo de uma nova questão refletida.

Não adiantou tentar ser um herói,
Ao fim o mundo não precisa dessa baboseira
Heróis são de papel, somente.
Heróis não passam de fantasias
Vindas de pessoas que querem ser o que jamais poderão!

Não adiantou tentar curar o mundo,
Se ao fim tudo já estava infectado por sua própria doença,
A doença que provem dos próprios pensamentos,
A doença que é a cura do mundo...
E a cura do mundo é a extinção da humanidade!
Pois para tal nada adianta realmente. Nada é o bastante!